Promoção - EU QUERO IR AO SUMMER BREEZE 89

Chumbawamba pede para político conservador parar de usar seu hino dos anos 1990

Redação 89

Chumbawamba pede para político conservador parar de usar seu hino dos anos 1990 imagem divulgação

A banda britânica Chumbawamba exigiu que o vice-primeiro-ministro da Nova Zelândia, Winston Peters, pare de usar o clássico “Tubthumping” em comícios e eventos públicos porque o grupo se opõe veementemente à agenda conservadora do político.

Peters, um integrante do partido New Zealand First, vem utilizando de forma frenética o refrão da letra da canção de 1997. De acordo com matéria do The Guardian, Peters usou na semana passada esse hino dos anos 1990 antes de seu discurso sobre o estado da nação, onde, entre outros tópicos, discutiu a remoção de lições de gênero e sexualidade do currículo escolar e fez citações consideradas racistas.

Boff Whalley, guitarrista do Chumbawamba, disse que a banda não deu permissão a Peters para usar o clássico: “O Chumbawamba escreveu a música ‘Tubthumping’ como uma canção de esperança e positividade, então parece totalmente estranho que o refrão ‘I get knocked down, but I get up again’ [fui derrubado, mas me levanto novamente] seja usado pelo vice-primeiro-ministro da Nova Zelândia, Winston Peters, enquanto ele mostra suas políticas divisivas, mesquinhas e preconceituosas durante seus discursos recentes”.

Whalley completa: “Gostaríamos de lembrá-lo de que a música foi escrita para e sobre pessoas comuns e sua resiliência, não sobre políticos ricos tentando ganhar votos cortejando teorias conspiratórias absurdas e jorrando ideologias racistas equivocadas”.

A banda pediu à sua gravadora, a Sony Music, que emitisse um aviso de cessação e desistência. Questionado sobre o uso indevido da canção, Peters respondeu: “Parece que a mídia se importa mais com a história do Chumbawamba do que com nós. Na verdade, não nos importamos. Não há nada para ‘cessar ou desistir’. Teremos a certeza de arquivar a carta de ‘cessar e desistir’ em um lugar seguro, se ela chegar”.

O político ainda zombou da banda a chamando de “One Hit Wonder”, aqueles artistas que só possuem uma música relevante em seu catálogo: “Eu usaria outras de suas faixas de sucesso, mas infelizmente eles só tem uma”.



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS