Como Ajudar
Especial U2

A.A. Willians lança seu novo álbum “As The Moon Rests”; ouça na íntegra

Redação 89

A.A. Willians lança seu novo álbum “As The Moon Rests”; ouça na íntegra Foto: Thomas Williams

“Tradicionalmente, seu segundo álbum é o ponto de preocupação; onde há o peso da expectativa”, afirma A.A. Williams. “Mas devo criar músicas que me agradam, e tive mais tempo neste disco; senti mais confiança e convicção. As The Moon Rests é ao mesmo tempo mais pesado e mais suave, há mais textura e peso, e um conjunto de cordas. É Forever Blue vezes dez!”

Lançado em julho de 2020, Forever Blue foi o álbum de estreia da cantora e compositora londrina, uma caminhada brilhantemente dramática, única e íntima no lado escuro que fundiu tons ousados e latentes de pós-rock e pós-clássico. Por sua vez, foi glacial e vulcânico, alegre e violento, através de momentos de volume calmo e explosivo desarmante, igualmente atrativo para os campos de rock alternativo e metal.

“Os saltos entre momentos de grande drama e tensão silenciosa apontam para sua afinidade com Chelsea Wolfe e PJ Harvey”, declarou Uncut. “Agitado e evocativo… As chances de surgir uma estreia mais comovente e completa neste ano são praticamente zero”, indicou o Metal Hammer.

Como afirma Williams, As The Moon Rests amplifica a escala de suas ambições, como ela mostra em ‘Evaporate’, a primeira faixa lançada do álbum. Ela vem com um vídeo que encarna as tensões emocionantes do mundo de Williams, onde as emoções caminham em uma fina linha entre o controle e o caos. Da mesma forma, o impacto da voz profunda de William e das letras que fazem todas as perguntas existenciais certas durante todo o As The Moon Rests: quem sou eu? O que eu posso mudar? O que eu não posso mudar?

Forever Blue já havia colocado em movimento a busca de autoaperfeiçoamento de Williams, mas a pandemia apresentava mais desafios. Como Forever Blue estava prestes a ser lançada, ela começou a postar vídeos solo – versões de capa sugeridas por seus fãs, tais como ‘Creep’ de Radiohead, ‘Into Your Arms’ de Nick Cave e ‘Be Quiet and Drive’ de Deftones, alinhados para caber em seu próprio som e visão crepuscular. Songs From Isolation, como ela a chamou, “foi uma experiência positiva para focar através dos relatos avassaladores de más notícias. E eu pude dialogar com meus ouvintes.”

Songs From Isolation posteriormente se transformaram em um álbum de nove faixas de capas, um documento definido e emocionante de solidão e fortaleza. Em seguida veio arco, uma reimaginação do EP de estreia de Williams (auto-intitulado) para voz e cordas justas. Ela tinha tocado as partes de cordas (assim como guitarra e piano) em Forever Blue, mas aqui ela escreveu os arranjos para um conjunto de dez peças, transpondo o ritmo e a parte baixa de uma banda de rock para harmonias elegantes.

O conjunto de cordas retorna para As The Moon Rests, reforçando as dimensões cinematográficas do álbum e sublinhando o drama palpável da busca de Williams para forjar um caminho mais libertador. A faixa de abertura do álbum, ‘Hollow Heart’, define o terreno emocional:  “Give me time and I will learn / that I am only human,”( “Dê-me um tempo e eu aprenderei / que sou apenas humana”), ela canta antes dos instrumentos começarem sua lenta subida de clima ao ponto de esquentar a música. O volumoso violão e teclados de Williams são embelezados pelo co-produtor (e marido) Thomas Williams, o baixo de Geoff Holroyde e o engenheiro/mixer Adrian Hall em seu estúdio londrino Clever Pup (em oposição ao apartamento de dois quartos de Williams para Forever Blue). “Tínhamos melhor equipamento, e mais experiência à mão”, diz Williams. Quando eles terminaram, As The Moon Rests cronometrou em 62 minutos. “Eu esperava tirar algumas gravações depois de terminarmos, mas o consenso era que tudo estava bem, e funcionava como uma coleção.”

O álbum tira seu título da faixa de encerramento. “Para mim, ‘As The Moon Rests’ saltou como evocando uma mudança de direção na letra da música”, explica ela. “É uma canção de amor, não necessariamente romântica, mas entre duas pessoas com um laço inabalável. Parecia pungente e proeminente o suficiente para funcionar como o título.”

Esse vínculo inabalável poderia existir igualmente entre duas partes conflitantes de mim mesma. “A maior parte do texto de Forever Blue era bastante ‘isolada’”, lembra ela. “Eu estava tentando me entender, tentando curar, ou erradicar partes de mim mesma. Mas percebi que se você remover coisas, você pode remover partes de sua personalidade também. Você só precisa aprender a administrar as coisas, a ser mais gentil consigo mesmo. É tudo uma jornada, uma progressão.”

Williams prefere não especificar quaisquer incidentes, gatilhos ou memórias por trás de cada canção individual. “É tudo parte de um arco dominante”, diz ela. “Com uma visão a posteriori, algumas canções eu descubro coisas, outras eu desapareço em um buraco.” Por exemplo, em ‘Evaporate’, estou tentando esconder alguns pensamentos complicados, que poderiam simplesmente explodir. Outras vezes, fico mais relaxada. Na maioria das vezes, a escrita é mais retrospectiva, não sobre o aqui e agora. A letra é o lugar onde eu descubro as coisas.”



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS