SUPERBANNER BONÉ RS

Estudo sugere que músicas podem fazer com que medicamentos funcionem melhor

Redação 89

Estudo sugere que músicas podem fazer com que medicamentos funcionem melhor Imagem: Mpumelelo Macu (via Unsplash)

Quando seu médico prescreve um medicamento, ele também pede pra você ouvir Metallica ou System Of A Down? Fique sabendo que isso poderá ser uma prática médica que muitos profissionais adotarão no futuro. Pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá, estão envolvidos em um estudo que tentar saber se as músicas realmente podem fazer com que determinadas drogas tenham uma resposta melhor no organismo humano.

Há muito tempo a comunidade científica sabe dos efeitos terapêuticos da música, como relaxamento e controle do estresse, tanto que já são usados na prática. Agora, o UAlberta.Ca revelou que o farmacologista clínico Tony Kiang e seus colaboradores estão analisando se certos tipos de música podem afetar a maneira como as drogas são metabolizadas. O objetivo é que os resultados sejam o ponto inicial de uma terapia medicamentosa a ser adotada no futuro.

“Existem certos marcadores endógenos no sangue que representam vias metabólicas específicas. Podemos usá-los para medir diferenças no metabolismo do paciente que está sendo exposto à música. Depois de reunir as respostas, vamos procurar por quaisquer tipos ou variedades específicas de música que tiveram um impacto notável”, diz Kiang.

O pesquisador e sua equipe estão testando essa teoria com músicas de diferentes épocas, ritmos e gêneros, incluindo canções originais compostas exclusivamente para isolar elementos específicos para estudo. Para as cobaias humanas, o processo é bastante simples: ouvir música e fazer exame de sangue.

Até o final do ano a pesquisa tentará responder se o seu  gosto musical pode realmente fazer a diferença em um tratamento clínico. No ano passado, uma pesquisa encomendada pelo aplicativo Free Now indicou que 85% dos britânicos acham que ouvir música é importante para sua saúde mental (AQUI).



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS