Como Ajudar
Especial U2

Automatic: ouça novo álbum que une underground dos anos 70 com a cultura dos anos 80

Redação 89

Automatic: ouça novo álbum que une underground dos anos 70 com a cultura dos anos 80 imagem divulgação

Automatic, o trio de Izzy Glaudini (sintetizadores, vocais), Lola Dompé (bateria, vocais) e Halle Saxon (baixo, vocais),  está de volta com seu segundo álbum. Em Excess, a banda sintetiza uma nova linhagem de pop motorik retrofuturista. O álbum percorre a fronteira imaginária onde o underground dos anos 70 conheceu a cultura corporativa dos anos 80 – ou, como diz a banda, “Aquele momento fugaz em que o que antes era legal rapidamente se transformou e se tornou mainstream, tudo por causa do consumismo.”

Usando este momento como uma lente para ver o momento presente, Excess visa a cultura corporativa e extravagância. Os temas abrangentes de alienação e escapismo emergiram quando Automatic reuniu o Excess, fazendo retiros de escrita para desenvolver as novas músicas antes de ir para o estúdio para sessões de gravação com o produtor Joo Joo Ashworth (Sasami, FROTH).

Muitas das faixas do álbum nasceram de longas jam sessions. Halle observa que Excess não veio tão facilmente quanto o debut, e que terminá-lo exigiu resiliência e encorajamento de todos os três membros, alimentando as ideias uns dos outros e experimentando novas técnicas no estúdio. Uma dessas faixas, “Teen Beat”, recebeu o nome de uma predefinição na bateria eletrônica analógica da velha escola de Halle. Está cheio de energia juvenil e maníaca, com versos sobre a inevitável crise climática: “Your feet in the water / The fear coming for you.” “Para nós, o nome passou a ser sobre a geração Z herdando o mundo na décima primeira hora, antes mesmo de terem idade suficiente para beber”, diz Halle. “Antes de pousarmos em ‘Teen Beat’, nós o chamávamos carinhosamente de ‘Madness’ – a loucura que você sente com o estado de polarização hoje.”

Automatic imagina um tipo de Patrick Bateman em “Skyscraper”, enquanto “NRG”, escrito em catarse depois de ouvir Crass e nomeado em homenagem ao Patrick Cowley, lida com o que Lola descreve como “o desconhecimento que vem com o teste de limites e explorando seus próprios valores enquanto encontra seu lugar no mundo como indivíduo.” O trio luta com sua própria posição – como banda, como uma “marca”, como mulheres na indústria da música e como seu relacionamento com seu próprio trabalho mudou à medida que traçam um caminho para um território desconhecido. Afinal, elas precisam continuar, e você também.

Mas a mensagem final do Excess é de solidariedade, e não de desespero. “I can’t stand to hear you talk this way / Like every new beginning ends the same”, abre “Turn Away”, a última música do álbum, voltando às visões de excursões espaciais fracassadas na abertura “New Beginning”. É “destinado a se sentir como um braço sobre seu ombro em um gesto amoroso”. Em vez de sucumbir ao fatalismo, Automatic escolhe a esperança: “There’s a light in the dark / Feel the world open up”. “Queremos que as pessoas se sintam capacitadas a fazer o que puderem para salvar o mundo, rejeitando qualquer complacência de ver o mundo queimar”, diz Halle.

O corpete metálico na capa do álbum – fotografada no Salton Sea, um local de decadência ambiental – reflete os dias atuais explorados em Excess: distorcido e caótico com um brilho elegante. Mas a mensagem final do Excess é de solidariedade, em vez de desespero. Como Izzy diz: “O disco é sobre o que acontece com nossa psique quando somos condicionados a certos valores, as consequências desses valores e o desejo de resistir a eles”.

Recém-saídas de seus shows com Tame Impala e apresentações no Primavera Sound, Best Kept Secret e Wide Awake, o Automatic tocará em várias outras datas na Europa antes de retornar a Los Angeles para fazer um show especial de lançamento de Excess no The Regent. O show de L.A. será apoiado pela Los Angeles Community Action Network (LACAN), com Freedom Singers, um coletivo de músicos da comunidade Skid Row, abrindo e sua artista visual residente Natosha Smith contribuindo para a cenografia. Uma parte da receita do show irá diretamente para a LACAN. Para mais informações, clique AQUI.

Compre Excess em vinil e vinil deluxe eco-mix AQUI.



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS