SUPERBANNER BONÉ RS

Alex Izenberg: clipe de ‘Ivory’ conta com participação de Sir Paul McCartney #4

Redação 89

Alex Izenberg: clipe de  ‘Ivory’ conta com participação de Sir Paul McCartney #4 imagem divulgação

O compositor mais misterioso de Los Angeles, Alex Izenberg, juntou-se ao lendário “Sir Paul McCartney #4” em seu último single, “Ivory”. Uma espécie de música antiamor, o vídeo “Ivory” apresenta uma participação especial da melhor versão nova-iorquina do famoso Beatle.

Alex sobre “Ivory”: “Não sei se é uma história tentar contar uma história, porque não me considero um storyteller como Bob Dylan ou Leonard Cohen, mas acho que foi meio que eu indo para isso. Pode ser interpretado de diferentes maneiras, dependendo do seu humor, mas penso que pode ser como um casal chique saindo e como eles não estão realmente apaixonados, mas ainda estão juntos. E então “real love will stone you” no final do refrão pode ser interpretado como eles descobrindo que não estão apaixonados. Estava meio que indo para uma vibe do tipo “Best of My Love”, dos Eagles. Essa música acho que é sobre a cantora estar perdidamente apaixonada por alguém e apenas dizer a ela que obtém o melhor de seu amor. Liricamente, não é exatamente a mesma coisa, mas a vibe que eu queria.”

“Ivory” é o terceiro single do próximo álbum de estúdio de Alex, I’m Not Here, que será lançado em 20 de maio pelo selo Weird World, da Domino. Segue a cativante retro-pop “Sorrows Blue Tapestry” e a otimista e elegante “Egyptian Cadillac”.

Como sua estreia, Harlequin, de 2016, e seu ambicioso sucessor de 2020, Caravan Château, o novo álbum habita o modo dos artistas favoritos de Izenberg, sujeitos como Harry Nilsson, John Lennon, Randy Newman e Lou Reed. Gravado no Tropico Studios, produzido por Izenberg e Greg Hartunian, e masterizado por Dave Cooley no Elysian Masters em Los Angeles, seus arranjos de cordas e sopros — cortesia do colaborador Dave Longstreth, Dirty Projectors — trazem à mente o som vibrante de Van Dyke Parks.

Inspirando-se no escritor e teólogo Alan Watts, que escreveu e falou da vida como um drama no qual colocamos e removemos máscaras (ou personas) para se adequar aos nossos momentos, as novas músicas de Izenberg forjaram caminhos para a consciência universal, mantendo uma sensação de diversão. Alternando entre esses modos, as músicas de Izenberg lembram uma das famosas citações de Watts: “Você não tem obrigação de ser a mesma pessoa que era cinco minutos atrás”. De forma reveladora, a capa do álbum apresenta a imagem rígida de uma máscara, um aceno para o senso de identidade maleável que Izenberg explora no álbum. “Acima de tudo, minha maior inspiração ao escrever esse disco foi a ideia do coringa, aquele que pode ser qualquer carta do baralho.” explica Izenberg.

Aberto sobre seu diagnóstico de esquizofrênico paranóico, Izenberg não foge de tópicos complexos em sua música: desilusão, confusão e tristeza. O trabalho em I’m Not Here começou a sério após a morte de seu cachorro e melhor amigo Larks, batizado em homenagem a Larks’ Tongues in Aspic, o álbum de 1973 do King Crimson, uma das bandas favoritas de Izenberg. Com o mundo ao seu redor desmoronando e seu fiel companheiro se foi, Izenberg se acomodou profundamente em si e em sua imaginação, procurando fuga e alívio.



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS