Como Ajudar
Especial U2

Sucesso artificial nas paradas? Entenda por que blockchain pode acabar com “fake streams”

Redação 89

Sucesso artificial nas paradas? Entenda por que blockchain pode acabar com “fake streams” imagem divulgação

A estratégia utilizada por fãs da cantora Anitta para aumentar artificialmente o engajamento do single “Envolver” no algoritmo do Spotify, conforme relatou ontem o site Tilt (UOL), não é algo novo nem isolado no mundo do streaming. Em julho de 2021, dezenas de sites que fraudavam plataformas digitais de música e vendiam o serviço de inflar artificialmente o número de audições de singles foram fechados após uma operação do Ministério Público de São Paulo (AQUI).

Como os “plays” são a métrica mais importante no mundo da música atualmente, impulsioná-los nas redes rende dinheiro e dá a impressão de sucesso. Combater a onda de “fake streams” é, sem dúvida, o maior desafio para as plataformas digitais, que mudaram radicalmente o consumo de música nos últimos anos, mas estão longe de ser a forma definitiva. Na verdade, são apenas o início de uma revolução nesse setor, porque novas tecnologias começam a ser descobertas pelo mercado, como blockchain, que nada mais é do que um registro usado principalmente no campo das criptomoedas. O Directivos y Empresas explica que o sistema funciona como um lugar onde as informações são colocadas e depois distribuídas para computadores que desejam acessar os dados. É uma forma de transmitir informações com segurança, evitando fraudes e golpes.

Mas qual é a relação entre blockchain e música? Essa tecnologia é capaz de dizer ao artista onde sua música está sendo consumida, a fim de obter lucro. O processo facilita a maneira de identificar os direitos autorais do criador de conteúdo, para que ele possa ser devidamente recompensado pelo que produz. Isso permite que a música possa ser distribuída diretamente do compositor para os consumidores, sem perder dinheiro e protegendo a arte ao mesmo tempo. E como tudo passa por uma “contabilidade”, é fácil provar qual o verdadeiro impacto de sua obra na rede. Ou seja, o “play” vem com recibo.

Atualmente já existem algumas plataformas de blockchain e música que permitem que os artistas tenham uma melhor remuneração por seu trabalho e acompanhem o seu desempenho. Uma recente matéria da Forbes destacou a atuação no mercado da Audius, que trabalha com um protocolo de streaming de música totalmente descentralizado.  Mas há outros bons exemplo, como o Emanate, rede que fornece recompensas instantâneas para cada canção que é tocada. Outra plataforma nesse sentido é a Musicoin, que caracteriza-se por sua transparência e segurança. Já o AnoteMusic é um projeto que permite que transações descentralizadas sejam feitas com músicas de artistas e proteção de direitos autorais. Também há organizações sem fins lucrativos que exigem um protocolo de código aberto na indústria musical, como a Open Music Initiative. Recentemente, o site Biultin.Com atualizou sua lista das empresas que utilizam blockchain na música (AQUI).

A chegada desses serviços tem relação direta com a nova forma como as músicas passarão a ser vendidas, sem a necessidade de intermediários se apropriarem da maioria dos royalties. Compositores e artistas musicais poderão ver a partir de um painel todos os lugares onde sua música está sendo consumida em tempo real, e serão capazes de obter lucros imediatos ao oferecer métricas confiáveis sobre o impacto de sua música na comunidade digital. Fundos de investimento já se ligaram nessa possibilidade e começaram a adquirir catálogos de artistas como Bruce SpringsteenBob DylanRed Hot Chili PeppersPaul SimonBeach BoysNeil YoungLindsey BuckinghamStevie Nicks, entre outros grandes nomes. Aqui no Brasil, a Phonogram.me se destaca por um serviço que permite que qualquer pessoa adquira um fonograma e receba os royalties quando ele é executado (AQUI). Entre a comunidade de músicos, o DJ e produtor Steve Aoki é um dos que estão mais ligados na tecnologia de blockchain e já lançou o seu Aokiverse, plataforma voltada ao comércio de NFTs (tokens não fungíveis). Numa entrevista ao The Verge, ele disse que a venda desses tokens estão fornecendo uma maneira diferente para os músicos estarem mais engajados com seu público.

Todo esse movimento que a gente destacou neste texto concentra-se na terceira onda da internet, na qual o blockchain é essencial e que foi destaca na semana passada no artigo de Mitch Glazier na Variety. Segundo ele, que é CEO da RIAA (organização que representa a indústria fonográfica nos Estados Unidos), a Web3 nos dá novas maneiras de nos conectarmos uns com os outros e embarcarmos em experiências físicas e on-line. O mais interessante é que Glazier garantiu que a RIAA e seus colaboradores estão trabalhando duro para acabar com os chamados “maus atores” no mercado e proteger os fãs de música.



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS