Kiss deve continuar após aposentadoria de Paul Stanley e Gene Simmons

Redação 89

Kiss deve continuar após aposentadoria de Paul Stanley e Gene Simmons imagem divulgação

A turnê de despedida do Kiss intitulada End Of The Road foi lançada há pouco mais de dois anos e acabou sofrendo com o adiamento de datas gerado pela pandemia. De momento, o derradeiro giro mundial da lendária banda deve ser finalizado em algum momento de 2022. Após essa série de shows, a expectativa é que Paul Stanley e Gene Simmons, seus membros fundadores, anunciem suas aposentadorias.

Questionado pela Radio Bob da Alemanha se uma versão 2.0 da banda poderia continuar em turnê e seguir gravando discos, Paul Stanley disse que essa possibilidade existe. “O Kiss pode continuar e pode evoluir sem nós? Acho que sim, porque já é 50%. Em outras palavras, houve um tempo em que as pessoas diziam: ‘Só pode ser o quarteto original’… As circunstâncias mudam e as coisas seguem em frente”, explicou.

O  músico refletiu sobre como seria ver o Kiss seguindo em frente com novos integrantes: “Por mais que eu seja um grande fã do que faço – e acho que sou muito bom – há outras pessoas por aí que poderiam chegar e trazer algo para a filosofia, para os shows ao vivo ou para a música. Seria o Kiss. Não seria o Kiss 2.0. Se isso acontecesse, sim, seria realmente apenas uma continuação da filosofia que sempre tivemos, e é isso que é o Kiss, maior do que qualquer integrante”.

A Blabbermouth.Net, que fez a transcrição da entrevista, ressaltou que foi em 2005 que o empresário do grupo, Doc McGhee, disse pela primeira vez ao New York Times que o grupo tinha a ideia de recrutar uma banda inteira para vestir sua famosa maquiagem. “O Kiss é algo como Doritos ou Pepsi, no que diz respeito a uma marca. Eles são mais personagens do que uma pessoa individual. Acho que [os novos membros] têm uma chance legítima de seguir com a franquia”, comentou o executivo.



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS