Promoção - TEMOS VAGAS 2024 | Lollapalooza

Vendas de vinil superam as de CDs pela primeira vez em 34 anos

Redação 89

Vendas de vinil superam as de CDs pela primeira vez em 34 anos Imagem divulgação

O discos de vinil foi o principal formato de mídia para se ouvir música durante décadas até ser severamente combatido pela onda do Sony Walkman e os chamados pré-gravados que passaram a reinar a partir de 1987. Foi nesse ano que um novo formato chamado compact disc eclipsou o vinil – não no número de unidades vendidas, mas no valor em dólar dessas vendas, porque os CDs custavam o dobro de um LP naquela época.

Com o reinado do CD, o vinil chegou perto de sua extinção até que em 1999 nasceu na internet o Napster, que resultaria dois anos mais tarde em algo que parecia difícil de acreditar, o declínio das vendas de CDs.

O futuro da música ainda era exclusivamente digital até 2008, quando o vinil começou a ser tratado como um produto diferenciado, voltado para quem realmente gostava de música. Mais de uma década de crescimento de dois dígitos se seguiu à medida que as novas gerações descobriram as vantagens e o fascínio de curtir música de alta fidelidade sonora através de um disco físico.

O vinil tornou-se tão popular que era apenas uma questão de tempo até que o cenário voltassem para onde estava em 1986. Isso acaba de ocorrer. De acordo com novo relatório da RIAA, o valor em dólar das vendas de vinil nos EUA no primeiro semestre de 2020 está em torno de US$ 232 milhões, enquanto o mercado de CDs vale cerca de US$ 130 milhões.

Deve-se notar que a diferença de preço entre os formatos também mudou. Um álbum de vinil é vendido por duas vezes (ou mais) o valor de um CD. A Bloomberg aponta que mesmo com sua boa repercussão, o vinil e todas as mídias físicas são cada vez mais produtos de nicho. O streaming representou 85% da receita musical no primeiro semestre deste ano.



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS