Como Ajudar
SUPERBANNER BONÉ RS

Skank lança terceiro EP do projeto “Os Três Primeiros”

Redação 89

Skank lança terceiro EP do projeto “Os Três Primeiros” Imagem divulgação

Os caras do Skank disponibilizaram nesta sexta-feira (28), o terceiro EP do projeto “Os Três Primeiros”.

O título remete ao gênero mais brasileiro e a uma cidadezinha de 30 mil habitantes no interior do Mato Grosso. A arte do terceiro disco – e terceiro EP – da tríade que compõe “Os Três Primeiros”, gravado ao vivo no Circo Voador, homenageia a estética da Hollywood Brasileira, a Atlântida e seus tradicionais cartazes. É tudo sobre aquele eterno quase gigantismo brasileiro. Que se tornou gigante de fato com esses elementos tão nossos, em “Samba Poconé”.

O disco vendeu mais de 1,8 milhão de cópias. Teve música no álbum oficial da Copa do Mundo de 1998 (“É Uma Partida de Futebol”), levou o Skank a turnê por 16 países e a rodar o Brasil três vezes com o mesmo álbum. “Foi quando chegamos a um ponto em que percebemos: ‘Bom, maior que isso simplesmente não dá para ficar’”, diz Samuel Rosa.

Até dava, na verdade. Mas aí deixaria de ser um grupo de pop rock brasileiro e viraria alguma outra entidade. E mesmo desse tamanho o grupo mineiro já se tornava alvo da amargura do sucesso. “Nenhum disco tinha sido apedrejado pela crítica, tinha muita música na rádio mas é como o (escritor) Nick Hornby falou: ‘Depois que fiz sucesso, mesmo sem ter mudado uma vírgula do que tinha escrito, os livros que tinham sido elogiados ficaram de alguma maneira piores (para a crítica)’”

Além de “É uma Partida de Futebol”, é o disco que traz “Garota Nacional”, “Tão Seu”, “Eu Disse a Ela”, “Zé Trindade”, “Sem Terra”, “Os Exilados” e “Poconé”, todas no EP 3. “Samba Poconé”, dado o sucesso de “Calango”, é quase a prova do segundo disco. “Tem muita gente que acha que o Skank começa com ‘Calango’, pela falta de hit do primeiro”.

De certo modo, é o disco em que flertam com a Espanha, com a arte dos catalães José Robles, de seus pôsteres para os filmes da Atlântida, e Manu Chao, que participa de três músicas, “Zé Trindade”, “Los Pretos” e “Sem Terra”. As duas últimas obviamente com engajamento social e a primeira com envolvimento romântico com o ideal “atlântido” de ter produzido 66 filmes no Brasil entre 1941 e 62.

“Era até paradoxal queremos fazer um som universal, latino e que ao mesmo tempo mantivesse uma certa brasilidade”. Paradoxal, mas ainda assim colocou o Skank em um patamar que só era confrontado por pagode, axé e sertanejo na época. “Samba Poconé” foi o guardião de resistência pop roqueira naquele segundo tempo de anos 90.

Ouça abaixo terceiro EP “Os Três Primeiros”:



COMPARTILHE


NOTÍCIAS RELACIONADAS