Titãs surpreendem público em gravação de DVD em São Paulo

Willian Maier

Titãs surpreendem público em gravação de DVD em São Paulo

Por Wendell Correia

Na madrugada de sexta pra sábado (24/25 de abril), os Titãs fizeram o show de gravação do DVD “Nheengatu” na Áudio Club, que contou com a promoção da 89FM – A Rádio Rock. Os caras registraram em vídeo e áudio a turnê do mais recente álbum da banda, lançado em 2014, que fala sobre diversos problemas sociais e políticos do Brasil.

A casa ficou lotada por volta da meia-noite. Poucos minutos depois da virada do dia, um representante da banda subiu ao palco para anunciar que os caras já estavam quase prontos pra começar e reforça que a apresentação será registrada para a gravação de um DVD. Dentro de instantes, as luzes da casa apagaram, e começou a tocar nas caixas de som uma música instrumental que os Titãs vêm usando já alguns anos para iniciar os seus shows.  Logo, Paulo Miklos (voz e guitarra), Branco Mello (voz e baixo), Sérgio Britto (voz, teclado e baixo) e Tony Bellotto (guitarra) aparecem no palco, acompanhados do baterista Mário Fabre, todos utilizando máscaras. As mesmas que foram utilizadas no clipe de “Fardado”. E começam a tocar a própria música, que também abre o disco “Nheengatu”. Antes de começar a música de fato, apenas algumas notas e batidas na bateria são ouvidas, e Sérgio Britto leva a galera à loucura quando começa a cantar a música, inspirada nas manifestações que aconteceram no Brasil em 2013.

Dando sequência a apresentação, tocam “Pedofilia”, “Cadáver Sobre Cadáver” e “Terra À Vista”, todas do álbum Nheengatu. Depois disso, tiram as máscaras e surpreendem o público ao tocar “Massacre”, lançada no álbum “Televisão”, o segundo da carreira dos Titãs, em 1985. Em seguida, tocam mais uma música que não é comum aparecer nos set lists dos shows dos Titãs: “Jesus Não Tem Dentes No País Dos Banguelas”, lançada no álbum que tem o mesmo nome em 1987. “Jesus…”, que na gravação está com a voz de Nando Reis, foi cantada pelo Branco Mello.

A apresentação segue e o Branco faz a primeira interação com a galera, saudando o público de São Paulo e anunciando um dos clássicos da banda: “Lugar Nenhum”, que sempre é bem recebida. Antes de tocar “Baião de Dois”, mais uma novidade do Nheengatu, Paulo Miklos agradece aos presentes pela energia que estão passando e pede para que “quebrem tudo”.

Surpreendendo mais uma vez a galera, os Titãs começam a tocar a música “Pela Paz”, que ficou conhecida por todos por fazer parte da campanha “Caminhada Pela Paz” promovida pela Rádio Rock há alguns anos, onde aconteceram shows na Praça Charles Muller, incluindo um show do próprio Titãs em um carro que acompanhava a multidão. Depois dessa surpresa, tocaram mais duas novidades: “Quem São Os Animais?”, que fala sobre preconceito, e “República dos Bananas”, uma das músicas de trabalho do álbum, que relata alguns personagens que podem ser considerados “comuns” na “república em que vivemos”.

O show segue com “Nem Sempre Se Pode Ser Deus”, do álbum Titanomaquia, de 1993. Logo depois, um dos pontos altos do show: Tony Bellotto pega sua guitarra e vai até a beira do palco e começa a tocar o riff de “Diversão”, o que leva a galera a loucura, cantando com “ôôôôô” junto de cada nota que sai da guitarra do Tony, além dos versos conhecidos por todos os presentes e os gritos de “Diversão!”. Após a música, a galera não para: continuam cantando o riff da música, o que faz a banda dar uma esticada, tocando mais uma vez a parte final com gritos de “Diversão”. Com certeza, será um dos grandes momentos do DVD.

Seguindo com a proposta do show, tocaram mais duas novas: “Mensageiro da Desgraça” e “Fala Renata”, uma falando sobre algumas pessoas que encontramos nas ruas das grandes cidades brasileiras e a outra citando alguns políticos e pessoas que “falam demais”.

Antes de seguir com o show, Sérgio Britto faz uma observação que a música que vão tocar foi composta em 1987, mas poderia facilmente ter sido escrita momentos antes do show. Ele está falando de “Desordem”, também muita bem recebida pelo público. Seguem o show com “Vossa Excelência”, lançada oficialmente no registro ao vivo da banda em 2005. Música que faz “elogios” aos nossos políticos. Branco assume o microfone mais uma vez e em uma frase já é possível saber qual é a próxima: “Ô CRIDE!”. E assim começam a tocar “Televisão”, de 1985. Mas a versão que eles tocam atualmente está diferente da conhecida por todos na voz de Arnaldo Antunes. Está mais rápida e mais pesada. Ante de saírem do palco pela primeira vez, os Titãs tocam o primeiro sucesso da banda: “Sonífera Ilha”. Música que absolutamente TODOS sabem cantar do começo ao fim.

Pouco após deixarem o palco, Paulo Miklos aparece sozinho para anunciar que vão voltar com máscaras para continuar a gravação e pede 4 minutos para se aprontarem. Eles demoram mais que isso, mas retornam novamente com máscaras para tocar mais uma vez as músicas “Pedofilia”, “Cadáver Sobre Cadáver”, “Pela Paz” e “Quem São Os Animais”. Antes de “Pela Paz”, Paulo Miklos para a introdução da música para pedir mais empolgação do público, pois segundo ele, a galera “estava apática”. Avisou que o show estava apenas começando e que era para voltar a ter a empolgação que estavam no início do show.

Após cumprirem o papel de tocarem e gravarem as músicas que com certeza vão estar no DVD (do disco Nheengatu, deixaram de lado as músicas: “Canalha”, “Eu Me Sinto Bem”, “Flores Pra Ela”, “Não Pode” e “Senhor”), Sérgio Britto faz uma observação, segundo o mesmo “sem falsa modéstia”, anunciando que são poucas as bandas que tem condições de deixar tantas músicas de lado e ainda assim fazer um bom show. Chama a atenção que ainda não tinham tocado nenhuma música do “Cabeça Dinossauro”, álbum clássico e mais conhecido da banda. (Lembrando que durante as comemorações dos 30 anos dos Titãs, eles tocavam o álbum na íntegra. Também foi feito o registro ao vivo em DVD e CD dessa turnê). Assim, Britto chama a galera para cantar os versos de “Polícia”, seguindo com “Homem Primata”, todas cantadas em peso pela galera e abrindo rodas de bate cabeça que alguns diriam ser impossíveis de serem formadas na Áudio Club. Quando acabou a música, a galera começou a gritar: “AA UU”. Britto disse que iria deixar a música de fora dessa vez, mas depois de um pedido tão forte, não teria como.

O show seguiu com Branco Mello cantando “A Melhor Banda de Todos Os Tempos Da Última Semana” e “Flores”, essa com ele deixando boa parte da letra apenas para a galera cantar. E assim os Titãs deixaram o palco pela segunda vez.

Voltando ao palco da Áudio Club pela última e terceira vez, os Titãs optaram por deixar apenas Branco Mello cantando músicas que foram lançadas originalmente na voz de outros integrantes que fizeram parte da banda. Começaram com “Marvin” (com a galera cantando em peso), e “Igreja”. Ambas tinham a voz de Nando Reis quando o mesmo ainda fazia parte da formação. E pra encerrar, Branco avisa que não tinham nada programado, e decidem tocar “O Pulso” para encerrar a noite de celebração dos Titãs, após pouco mais de duas horas de show. Essa, proporcionando um grande momento ao final, com os quatro integrantes da banda se juntando à beira do palco trocando sorrisos entre si e com o público, mostrando que ainda têm muita energia para continuar fazendo música. Esperamos ansiosos pelo lançamento do mais novo DVD Ao Vivo dos Titãs. Pois uma coisa é certa: esses caras sabem fazer shows!

Fotos: Anderson carvalho

titas-gravacao-dvd-001

 

titas-gravacao-dvd-002

 

titas-gravacao-dvd-003

 

TITAS - SET LIST AUDIO CLUB - 24-04-2015



NOTÍCIAS RELACIONADAS


COMPARTILHE