Guns N’ Roses Vol. 6

Willian Maier

Guns N’ Roses Vol. 6 imagem divulgação

Banda vem pela sexta vez ao Brasil e torce contra a chuva – Por Claudio Dirani

Sem chance. No início dos anos 90, Axl e o Guns N’ Roses não escapavam das teias dos tabloides. Por bem ou por mal, a banda – uma das maiores do Rock – era a bola da vez. Não importa o motivo (ou a ausência de algum): Desde o lançamento simultâneo de “Use Your Illusion I e II” (dois álbuns duplos!) em 1991 até as atitudes radicais de Axl Rose.

Mais de 23 anos depois, essa fase virou história. A banda mudou muito. E Axl também. A missão do Guns, agora, é tentar surpreender os fãs e não ter de encarar as tempestades que cancelaram e atrasaram shows em 1991, 2010 e 2011…

 

As turnês e as polêmicas

Para marcar o retorno do Guns a São Paulo, dia 28 de março, no Parque Anhembi (e mais 6 cidades), a Rádio Rock prepara para os fãs, uma série de curiosidades e aventuras do Guns ‘n Roses durante as turnês que chacoalharam o Brasil.

 

20 de janeiro de 1991 – Rock In Rio II

Embalado pela MTV (que só tinha 1 ano de idade por aqui) e os hits “Sweet Child O’ Mine” e “Patience”, o segundo Rock In Rio da história serviu de plataforma para o primeiro show do Guns N’ Roses no Brasil.
A apresentação aconteceu dia 20 de janeiro, no Maracanã e trouxe no setlist novidades que só apareceriam 10 meses mais tarde nos LPs duplos “Use Your Illusion”: “Civil War”, “Knockin’ On Heaven’s Door” e “Estranged”. O show também foi marcado pela estreia ao vivo de Dizzy Reed e Matt Sorum.

 

slash

10 e 12 e de dezembro 1992 – Autódromo do Anhembi – SP
13 de dezembro – Autódromo de Jacarepaguá – RJ

O retorno do Guns N’ Roses foi bem mais quente. A imprensa não desgrudava de Axl Rose. E Axl se irritava fácil. O ápice aconteceu na véspera do primeiro show do Estacionamento do Anhembi , quando o vocalista jogou uma cadeira da sacada do hotel em um aglomerado de repórteres.

Os shows foram regados à bastante chuva. Em um deles (no qual este jornalista esteve presente!), Ax Rosel parou diversas vezes para reprimir a ação da galera mais exaltada, que atirou objetos no palco. Em seus longos discursos, Axl aproveitava para caprichar nas ofensas. A parte boa foi o repertório, dominado por músicas dos álbuns Use Your Illusion e os singles “Don’t Cry” e “November Rain”.

 

14 de janeiro de 2001 – Cidade do Rock – Rock In Rio

No segundo Rock In Rio do Guns, a banda não escapou das polêmicas. Existia certa animosidade entre Axl e os irmãos Gallagher, do Oasis,com farpas trocadas por meio da imprensa.
A galera também não perdoou a ausência de Slash, que foi anunciado como presença certa . Em seu lugar, Axl havia escalado o lead-guitarrista Paul Tobias, encarregado do solo na maior novidade do repertório da banda: “Oh My God!”.

 

Brasília – 7/3/2010 – Belo Horizonte 10/3 – São Paulo 13/3 – Porto Alegre 18/3 e Rio de Janeiro 4/4

A mini-turnê brasileira do Guns foi marcada pela estreia nacional das músicas do épico “Chinese Democracy” (que custou 25 milhões de dólares e demorou 13 anos para sair!). O show paulistano rolou no Parque Antárctica, e Axl não escapou de um copo d’água “bélico” em sua direção.

Desta vez, Axl até brincou e foi simpático durante todo o resto da apresentação, que atrasou 1h30 para começar, mas que valeu a pena pelas 23 músicas do setlist. A passagem pelo Rio de Janeiro, que aconteceria dia 14/3 foi adiada para 4 de abril, por causa da chuva. Chuva que seria a vilã novamente no ano seguinte!

 

gunsrir

3/10/2011 – Rock In Rio

O “Homem da Capa Amarela” subiu ao escorregadio Palco Mundo quase duas horas depois do que marcava o ingresso do Rock In Rio. Mas valeu a pena, já que boatos de cancelamento assombravam o público que aguardava ansioso por mais um show do Guns N’ Roses em solo nacional.

O tempo parece adivinhar: “November Rain” estava no setlist, então pode esperar: tempestades à vista. O que deu direito até improvisação na letra “In a cold Brazilian rain”.

Axl e banda decidiram não cumprir à risca o que estava no repertório anunciado para os organizadores. Resultado: quase de 3h de surpresas, incluindo clássicos como “Welcome To The Jungle” e repertório de “Chinese Democracy”. O balanço da aventura foi um show longo, mas satisfatório. Com Axl até cantando melhor que no ano anterior… E muito bom humor!



COMPARTILHE