Álbuns perdidos no tempo – “Class Of 55”

Willian Maier

Álbuns perdidos no tempo – “Class Of 55” imagem divulgação

Grandes discos que você talvez não conheça desvendados pela Rádio Rock – Por Claudio Dirani

Em setembro de 1985, quatro lendas do Rock entraram no estúdio para gravar “Class Of 55” – álbum que não foi muito exaltado pela crítica, e que ganhou recentemente relançamento em vinil (disponível no Brasil).

No meio daquela década, aliás, o heróis que deram origem ao Rock and Roll não eram tão valorizados como hoje. Johnny Cash, por exemplo, um dos magos do quarteto (completado por Roy Orbison, Carl Perkins e Jeerry Lee Lewis) ganhou status de “cult” somente após sua morte, em 2003, com menções públicas elogiosas de U2, Coldplay e outros.

Desconsiderações à parte, “Class Of 55” (e seu pouco usado subtítulo “Memphis Rock ‘N Roll Homecoming”) ganhou atenção razoável por conta do boom iniciado anos antes por alguns artistas qie promoveram o Rockabilly Revival”, como Brian Setzer e os Stray Cats e The Cramps. A história de “Class Of 55” você acompanha a seguir.

 

As sessões

A reunião das quatro lendas – Orbison, Perkins, Jerry Lee e Cash – foi emblemática por reviver a era em que os músicos formaram um time quase imbatível do celeiro de craques que saíram do minúsculo Sun Studio, em Memphis. Mesma locação que recebeu Elvis para gravar o 78 rotações “That’s All Right Mama”: música que mudou a história do mundo como conhecemos.

 

Improvisação

Três décadas mais tarde, Chris Moman usaria o Sun Studio para a produção de “Class Of 55”. No total, apenas dois dias foram precisos para gerar as dez faixas – sendo algumas, escritas e arranjadas no calor e empolgação do momento, com colaboração de Moman e outros artistas. Um desses “outsiders” é John Fogerty – lider do Creedence Clearwater Revival, que assina “Big Train” (From Memphis). O épico, com quase 8 minutos, é um convite “quase místico” a embarcar no trem rumo a Memphis, escrita por ele com o Sun Studio em mente.

Na gravação, além dos membros da classe de 55 temos convidados ilustres como June Carter (mulher de Johnny Cash), Rick Nelson, David Edmunds e o produtor de Elvis, Sam Philips. Elvis Presley, a propósito, é lembrado na faixa “We Remember The King”, registrada no vinil por Johnny Cash.

Comercialmente, “Class Of 55” não foi tão bem, mas atingiu a 15ª posição nas paradas da Billboard. Vale a pena investir no álbum e conferir porquê a Rádio Rock deu espaço a artistas que não estão em sua programação diária, mas que são dignos de ocupar um lugar em sua coleção de discos.

 

Class Of 55 cover

 



COMPARTILHE