Balão mágico

Willian Maier

Balão mágico imagem divulgação

O que o Led Zeppelin reserva para 2014? –  Por Claudio Dirani

Ao contrário dos fãs dos Beatles, Elvis, The Doors e outras bandas, quem é maluco pelo Led Zeppelin já acostumou com lançamentos a conta-gotas da banda.  Para se ter uma ideia, o show no O2 de Londres, que marcou o reencontro do nosso aniversariante de hoje (70 anos), Jimmy Page, com Robert Plant, John Paul Jones e o filho do baterista John Bonham (Jason) demorou cinco anos para sair em CD e DVD.

O lado bom dessa espera é que Page finalmente confirmou o relançamento da discografia completa do Led em álbuns duplos, e provavelmente todos com faixas extras. O guitarrista, entretanto, já adiantou. Os álbuns “Led Zeppelin I” e II não têm muitos outtakes.

Já o “Led Zeppelin III” deve contar com algumas novidades que já tiraram o sono dos mais fanáticos. Por isso, para provocar um pouco mais esse interesse, é hora de especular um pouco sobre o que vai estar no pacote, a começar pelos quatro primeiros dos ingleses. O que já se sabe é que uma música com o baixista John Paul Jones nos vocais deve entrar em um dos CDs. Qual deles? Page não revelou.

 

Arquivos Led Zeppelin

O lendário bootleg chamado “Led Zeppelin: Studio Sessions” talvez seja a fonte de onde Jimmy Page tenha começado estudar para vasculhar os tapes (hoje digitalizados) da banda.

No total, 11 discos de versões alternativas e inéditas entregam o que pode ser usado nos CDs duplos remasterizados.

Que tal uma versão de 25 minutos, por exemplo, de “No Quarter”, gravada em Nova York, em 1972?

Mais antiga, uma gravação de “Jenning Farm Blues” com 24 minutos de duração poderia ser editada para inclusão em um dos discos (gravada em 1969, em Londres).  A faixa é uma versão instrumental de “Bron-Y-Aur Stomp” incluída em “Led Zeppelin III”.

A coleção de raridades ainda tem três versões do clássico “Stairway To Heaven”, incluindo uma base totalmente instrumental da balada.

Outras tentações da caixa incluem ensaios de “Templed Under Foot” (“Physical Grafitti”) com 18 minutos e uma versão acústica de “The Rover”, do mesmo disco.

As opções para a banda – em resumo – são enormes. Fora os itens que já sabemos, algumas surpresas devem fazer com que o Led Zeppelin volte a dominar o mundo do rock nos próximos meses. E se esperamos até agora, não custa nada aguardar mais um pouco…



COMPARTILHE