Redação 89

Resenha: Guns N´Roses em Miami

“8 de agosto de 2017, uma data pra ficar na história (cuidado, texto contém spoiler)”

por Nando Machado

Marlins Park em Miami, um fantástico e moderno estádio de baseball seria palco para mais um show da “Not in this Lifetime World Tour”. O nome da tour é sugestivo: ninguém imaginava que Axl voltaria a tocar com Slash e Duff McKagan novamente nessa vida e, felizmente, o que era um sonho para qualquer fã de Rock´n Roll de verdade aconteceu, e continua acontecendo, noite após noite. E o melhor de tudo, vai acontecer novamente e muito em breve no Brasil! A tour já passou pelo Brasil em 2016 mas agora parece que os caras estão ainda melhores, tocando mais, mais em forma, a banda parece estar mais coesa no palco, e os músicos “novos” realmente parecem fazer parte do Guns N’ Roses.

Eram oito e meia da noite, após um aquecimento perfeito ao som de várias músicas do Ramones, começa o maior espetáculo da Terra, com a música perfeita para abrir qualquer show, o som perfeitamente alto sai do falantes e anuncia: Guns N’ Roses!!!!! E começa, “It´s So Easy” – I see your sister in her sunday dress… E aí esse que vos escreve vai à loucura. Na sequência, um dos riffs mais perfeitos dos últimos 30 anos, “Mr. Brownstone”. Slash é um gênio, um Deus da guitarra, (sim, ele já está na categoria de Deus da guitarra). Depois de “Chinese Democracy”, vem “Welcome To The Jungle”, a faixa de abertura do disco de estreia mais FODA do Rock, Apetite for Destruction de exatamente 30 anos atrás.

“Você tem que ir nesse show em setembro no Brasil de qualquer jeito, mesmo se já tiver visto o Guns no ano passado”

Os integrantes mais novos da bandam participam do show de maneira mais à vontade, o pianista/tecladista Dizzy Reed já um velho conhecido, e o único membro que participou de praticamente todas as fases do Guns desde 1990, Richard Fortus é um monstro, ex-The Dead Daisies, um guitarrista que toca tudo e mais um pouco, somando técnica e feeling. Frank Ferrer também é preciso e encaixa perfeitamente na banda, Melissa Reese faz bem a sua função com seus backing vocals e tocando teclado com competência.

Aí vem uma coleção de hits: “Double Talking Jive”, “Better”, a maravilhosa “Estranged”, “Live and Let Die” (cover de Paul McCartney & Wings), a sensacional “Rocket Queen”, e a exterminadora “You Could Be Mine”. Duff McKagan assume os vocais no cover dos Misfits, “Attitude”, sempre homenageando Lemmy com a sua linda camiseta e Prince com “o símbolo” adesivado no seu baixo. “This I Love” é a primeira das baladas, e a última do Chinese Democracy. Na sequência vem “Civil War”, uma das minhas favoritas, “Yesterdays”, “Coma”, e o grande Slash emenda seu tradicional solo de guitarra com a trilha do Poderoso Chefão composta por Nino Rota. “Sweet Child O’ Mine”, que tem um dos melhores solos de todos os tempos, e um coro de 50 mil pessoas que delira naquela parte “Where do We Go, Where do We Go Now?”. Depois vem “I Used to Love Her”, “My Michelle” e o dueto dos dois mestres da guitarra que emendam a maravilhosa versão de “Wish You Were Here” do Pink Floyd. Logo em seguida, mais uma balada, a épica “November Rain”.

“O bis é matador”

Aí vem uma emocionante homenagem ao grandioso Chris Cornell; uma versão impecável de “Black Hole Sun” mantendo com total respeito o arranjo original do Soundgarden. É hora de mais uma versão, o clássico do Bob Dylan, “Knockin on Heaven’s Door” e encerram a primeira parte do show com a minha música preferida do G´N´R, “Nightrain”, não poderia ser melhor.

Sim, poderia, o bis é matador. “Don´t Cry”, um cover impecável de “Whole Lotta Rosie” do AC/DC, a última balada do show, “Patience”, mais um cover, a clássica “The Seeker” do The Who e a arrebatadora “Paradise City”.

Peço desculpas por estragar tantas surpresas mas juro que é por uma boa causa. É pra te dizer que você tem que ir nesse show em setembro no Brasil de qualquer jeito, mesmo se já tiver visto o Guns no ano passado, tenho certeza que você vai concordar comigo depois de assistir o show. São 30 músicas, 3 horas de show, e pensar que de quebra ainda teremos o Tyler Bryant and the Shakedown fazendo a abertura e ninguém que menos que Alice Cooper no Allianz Park em São Paulo!

Longa vida ao Guns´n Fuckin’ Roses e até setembro!

Publicado originalmente no site Wikimetal.Com.Br

compartilhe
Comente