ENTREVISTAS

Thais Yamamoto

Entrevista: John Fred Young, do Black Stone Cherry

Hollywood traz adoráveis surpresas. Algumas semanas atrás vi que o Black Stone Cherry iria se apresentar no legendário Whisky A Go Go, palco onde artistas como The Doors, Van Halen, Guns N Roses e muito outros começaram. A primeira vez que o Black Stone Cherry tocou no Brasil foi em setembro do ano passado e também foi a primeira vez que eu entrevistei a banda.

Na ultima sexta-feira dia 02 de junho encontrei com John Fred, baterista da banda e batemos um papo super divertido no Rainbow (outro legendário bar que também foi berço de muitas bandas, mas isso é historia para outra matéria).

Ano passado foi a primeira vez do Black Stone Cherry no Brasil. O que você se lembra sobre o Maximus Festival e São Paulo?

Vou te contar, essa foi a nossa primeira vez da vida na América do Sul. Nós voamos para São Paulo e eu me lembro que eu estava tão pronto para essa experiência, para a cultura da América do Sul e para os fãs. Todos que já estiveram lá me falavam ‘você não percebe o que está fazendo tocar lá, porque a paixão dos fãs é surpreendente’. Para nós, foi um pouco estranho porque o Ben (Wells), nosso guitarrista não conseguiu ir por problemas pessoais, ele ficou muito mal com a situação, mas não pode viajar. Joe (Storm) nosso grande amigo do Halestorm substituiu ele. Então essa foi a primeira vez que fomos para a América do Sul e sem nosso guitarrista. Mas foi ótimo porque Joe fez um ótimo trabalho. Mas temos que voltar com a banda toda.  Lembro também da comida!  As vezes quando tocamos em festivais o catering não é tão bom, mas eu me lembro de ter sentado por duas horas no catering no Maximus e comido muito, porque a comida era maravilhosa! Tudo foi demais… eu fiquei muito surpreso com a quantidade de pessoas cantando as nossas músicas. É incrível como a música viaja. Lembro que nosso set era de 50 ou 45 minutos, não me lembro direito, apensar do tempo ser curto foi o suficiente.

Você acabou de falar sobre o tempo de palco que tiveram no festival. Normalmente quando fazem shows em festivais o tempo é curto e algumas músicas são entram para o setlist. Qual é a maior diferença entre tocar em um grande festival e em um show solo num lugar menor? O que você prefere?

Essa é uma pergunta muito boa e difícil de responder. Em 2007 começamos a tocar na Inglaterra e foi incrível! Foi muito importante fazer isso, porque nos Estados Unidos é muito difícil fazer Black Stone Cherry tocar no rádio. Muitas pessoas na industria gostam da nossa música, mas muitas rádios não tocam nossa música talvez por termos um estilo meio Southern, e eu conheço outras bandas assim como Blackberry Smoke e The Cadillac Three. Eles também tem esse problema. Recentemente ouvimos uma entrevista com o Iron Maiden e eles falaram que no começo deles era assim também, mas que o que importava eram os shows ao vivo. Black Stone Cherry é uma banda ao vivo, por isso que as pessoas vão aos shows ver a gente. Agora sobre a pergunta do que eu prefiro, para falar a verdade não importa, porque vamos fazer o melhor show que podemos. É claro que tocar em grandes arenas e em festivais é uma bênção pela quantidade de pessoas, mas shows pequenos são muito mais intimistas. Nós tentamos pegar essa intimidade que temos nos shows pequenos e levar para os festivais. Não importa aonde estamos tocando, sempre vamos dar o melhor de nós.

Alguns meses atrás vocês lançaram o clipe de “Cheaper to Drink Alone”. O quão divertido foi gravar isso?

Surreal! Foi o vídeo mais divertido que já gravamos! O nosso senso de humor do dia a dia está naquele vídeo. Queríamos fazer um vídeo desses há muito tempo. A pessoas sempre falam ‘vocês têm que fazer um vídeo de rock serio’. Quando estávamos na Roadrunner Records (gravadora), ficamos lá por quase uma década e eles sempre falaram que os vídeos tinham que ser sérios e nós somos! Somos uma banda de rock do sul metal stoner country fora-da-lei… mas não queremos ser sérios o tempo todo! (risos). Desde que saímos dessa gravadora temos mais controle sobre as coisas que fazemos. Estávamos numa conferencia pelo telefone conversando sobre o vídeo e pensamos que se fizéssemos algo serio com atores e tudo mais… todo mundo faz isso, sabe? Por isso que temos que fazer algo bobo e engraçado para as pessoas rirem e ficou ótimo! Eu estou uma mulher maravilhosa no vídeo! (Risos). Gravamos num bar super pequeno perto de casa chamado Spillway, e eles sempre quiseram que tocássemos lá. Como precisávamos de uma locação para o vídeo decidimos gravar lá! Depois da gravação ainda fizemos um pequeno show, não cobramos ingresso e tocamos umas 6, 7 músicas.

Quando você começou a tocar bateria e quando você percebeu que essa era a carreira que queria seguir?

Meu tio Fred, ele toca bateria na banda The Kentucky Headhunters e ele me deu um kit de bateria quando eu tinha 4 anos. Mas quando eu comecei mesmo a tocar eu tinha 13 anos. Porque Chris (Robertson – vocalista da banda) e eu estudamos juntos na pré-escola e quando tínhamos uns 13 anos ele sugeriu que a gente montasse uma banda. Jon (Lawhon), nosso baixista, ele era esse cara bronzeado da Florida e a gente não gostava e nem falávamos com ele, porque todas as meninas da escola gostavam dele, mas foi engraçado porque o dia em que descobrimos que ele tocava guitarra parecíamos abelha atrás de mel, fomos falar com ele ‘E ai cara, como vai’. Jon tocava guitarra, mas o que nós não tínhamos era um baixista. Então o Chris sugeriu que ele trocasse a guitarra pelo baixo. Ele aceitou trocar e hoje é um dos melhores baixistas do mundo. É engraçado porque tocamos blues por pelo menos um ano e meio, e eramos só nós três. Um dia fomos a essa festa num lugar isolado, não tinha aquecedor, não tinha encanamento, ficamos lá e tocamos no inverno, quase morremos. Foi muito legal porque os posters que tinham na parede eram do Cream, Zeppelin, e o conhecemos esse guitarrista (Ben Wells) muito bom lá e o convidamos para tocar com a gente no dia seguinte. Isso foi no dia 4 de junho de 2001 e começamos a banda. Foi no aniversario de 16 anos do Chris.

Você falou que vão entrar em estúdio em setembro/outubro…

Sim sim! Vamos tentar começar a gravar o novo álbum em setembro e deve sair provavelmente no primeiro dia do ano que vem.

Black Stone Cherry tem planos de tocar na América do Sul de novo?

Por enquanto não. Mas te digo que vamos estar lá antes do que você pensa. Fizemos muitas turnês distantes nos últimos anos, como Austrália, América do Sul, tem sido muito bom. Sempre tentamos voltar, porque sabe, não gostamos de ir para um lugar e não voltar! Eu conheci muitas pessoas legais na América do Sul, fomos para São Paulo, Argentina… e me surpreendeu muito. Tudo o que as pessoas falavam é realmente verdade. Acho que começamos um bom relacionamento com a América do Sul!

Foto: Camila Cara

compartilhe
Comente
Thais Yamamoto

POWERFLO: supergrupo com membros do Cypress Hill e Biohazard

Eram quase onze da noite quando cheguei no West L.A Studio. Fui assistir o primeiro ensaio oficial do Powerflo. Talvez esse nome ainda não soe familiar para você, mas com certeza os membros dessa banda são. O Powerflo é um supergrupo formado por Sendog (Cypress Hill), Billy Graziadei (Biohazard), Roy Lozano (Downset), Christian Oldewolbers (Ex-Fear Factor) e pelo brasileiro Fernando Schaefer (Worst).

Banda nova + músicos experientes. Se existe alguma coisa perto de ser uma “formula do sucesso”, eu diria que é essa. Da pra sentir no ar. A banda lançou seu primeiro single, Resistence, semana passada e ensaia para o primeiro show semana que vem, dia 24 de maio em Santa Ana. O ensaio durou cerca de 3 horas, com direito a pizzas, risadas e até ideia para uma música nova. O álbum completo vai ser lançado dia 23 de junho.

Depois do ensaio conversei com SenDog e com Fernando Schaefer sobre a banda:

Quem teve a ideia de criar o Powerflo e como como isso tudo isso aconteceu?

Sendog: Começou com eu e o Roy Lozano. Um dia ele estava me dando uma carona para o aeroporto, eu ia viajar para fazer uns shows com o Cypress Hill e o Roy tocou umas musicas que ele estava fazendo para uma outra pessoa e eu gostei muito, era pesado. Então pensei, “por que você não cria algumas coisas pra mim?” E ele fez isso! Quando eu voltei da turnê ele me mostrou algumas musicas e a primeira música que fizemos juntos acabou entrando para o CD. A partir daquele ponto, nos reunimos todos os domingos e senti que estávamos fazendo coisas interessantes. Eu percebi muito rápido que precisaria de uma banda, que não seria um álbum solo do Sendog, sabe? Falei para eu e o Roy irmos atrás de algumas pessoas. O primeiro cara da lista era o Christian (Oldewolbers) porque sabíamos que ele tinha saído do Fear Factory. Então a conversa passou para bateristas, eu queria trabalhar com o Dave Lombardo porque somos amigos de infância, estudamos no mesmo colegial, mas ele estava fazendo algumas coisas diferentes e o timing não bateu. Roy então me falou sobre o Fernando Schaefer, e quando eu vi ele em uma revista no Brasil pensei “esse é o cara que o Roy me falou! “, então liguei para ele e ele topou fazer essa viagem até Los Angeles. Isso mostrou muito sobre o compromisso que ele tem com o Powerflo.

Como foi a mudança de São Paulo para Los Angeles?

Fernando: Não foi fácil. A gente sente saudade da família e dos amigos brasileiros, porque a cultura aqui é muito diferente, mas está sendo incrível. Ano passado eu vim três vezes para Los Angeles gravar o álbum. Eu conheci o Roy em 2013 na Alemanha, ele me viu tocar quando eu estava em turnê com o First Blood e me falou sobre o projeto que ele tinha com o Sendog. Depois nos falamos por email, ele acabou virando fã do Worst e falou que eu precisava me mudar para Los Angeles.

Vocês acabaram de lançar o primeiro single, Resistence, qual é a historia ou mensagem por trás dessa musica?

Sendog: A mensagem é basicamente “lute pelos seus direitos”. Você é um ser humano nesse planeta e merece o melhor, e se você não conseguir o melhor, lute por isso! Mostre sua voz! Se você ver algo que está errado, mostre sua opinião. Você não pode ficar calado nos dias de hoje, especialmente com o clima, a politica… eu acho que as pessoas têm que tomar coragem e lutar.

Como foi o processo de gravação do álbum?

Fernando: O Roy falou que íamos gravar no NRG e eu já tinha ouvido falar desse estúdio porque o Slayer tinha gravado lá. Quando eu cheguei no estúdio, eles têm uma sala com a decoração toda marroquina e som de lá é impressionante! Eles me disseram que eu precisava de um drum tech para a gravação… e eu nunca tive um drum tech (risos). Então contratamos um cara que trabalhou com Slipknot e o som ficou incrível. Eu usei uma Ludwing custom com bumbo de 24’’, ficou um som que eu nunca tirei na minha vida antes. Quando vocês escutarem o álbum vocês vão entender do que eu estou falando. Depois também fizemos algumas coisas no Fire Water Studios, do Billy (Biohazard), nosso guitarrista. Criamos umas 3, 4 musicas lá… o Billy trouxe umas melodias muito legais, porque ele também é pianista.

Você tem o Powerflo agora, o B-Real está tocando com o Prophets of Rage, isso significa alguma mudança para o Cypress Hill? Vocês vão diminuir o ritmo?

Semdog: O Cypress Hill ainda é um banda completa e 100% ativa. Eu respeito o Chuck D e o B-Real pelo o que eles estão fazendo no Profits, pois eles quiseram que eu me sentisse confortável com isso também. Eles me convidaram para os primeiros ensaios, antes mesmo do anuncio oficial. Eles queriam saber se eu estava de acordo com aquilo e queriam minha benção, e estava tudo bem por mim. Ao mesmo tempo que existe uma banda chamada Powerflo, também existe uma banda chamada Prophets of Rage e também uma chamada Cypress Hill e isso nunca vai morrer.

Eu e o B-Real temos muito respeito pelo legado que criamos e que ainda temos que continuar, não existe nenhuma conversa sobre Cypress Hill se aposentar ou parar, alias, temos um ótimo material novo, dois álbuns no processo, podem esperar.

Quais são os próximos passos de Powerflo?

Sendog: Temos algumas datas e estamos conversando com o P.O.D, datas na Califórnia e Seattle. Depois disso estou ansioso para levar a banda para Europa e América do Sul, tocar em festivais e mostrar os excelentes músicos que eu tenho comigo. Temos também nosso segundo single que sai em junho com um videoclipe.

compartilhe
Comente
Redação 89

89 entrevista Hatebreed, atração do Maximus Festival

Hatebreed é uma banda americana de metalcore que já está nas estrada há mais de duas décadas com sete álbuns de estúdio e uma legião de fãs espalhados pelo mundo.

Os caras são uma das grandes atrações do Maximus Festival, que rola hoje no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Eles tocam às 14h no palco Rockatansky.

Frank Novinec, guitarrista do Hatebreed, falou via telefone com a 89 e contou um pouco sobre a expectativa do grupo para o Maximus, que será transmitido pelo RadioRock.Com.Br.

Quem trocou uma ideia com o músico foi o nosso produtor Wendell Correia:

compartilhe
Comente
Willian Maier

Joe Sumner, filho de Sting, revela expectativa de abrir show do pai em SP

Neste sábado tem show internacional de altíssima qualidade no Allianz Parque. Ninguém menos que Sting marcará presença em seu único show de sua nova turnê mundial no Brasil.

Quem vai abrir a apresentação é Joe Sumner, filho de Sting, que conversou com a 89 e deu detalhes sobre a expectativa de tocar para o público brasileiro.

Utilize o player abaixo e curta o bate papo do músico com Wendell Correia:

Transcrição da entrevista:

89FM: O que você conhece do Brasil?

Conheço o futebol e acho o sotaque dos brasileiros é muito legal. Já estive no Rio de Janeiro e São Paulo. É maravilhoso. Conheci um pouco, mas não conheço o suficiente. Em breve estarei no país para aprender mais.

89FM: Quais são as expectativas para o show no Brasil?

Eu acho que vai ser louco! Vamos fazer um verdadeiro show de rock. Eu sempre quis tocar no Brasil, que tem festivais como o Rock In Rio. É sempre muito bom.

89FM: Está preparando algo especial para essa apresentação?

Estou tentando aprender um pouco do português que vocês falam no Brasil. Eu também escrevo músicas todo dia, então vou tocar algumas delas.

89FM: Quais palavras em português você já sabe falar?

Só o básico: “obrigado”, “muito prazer” e coisas como essas. Mas vou aprender mais.

89FM: Como tem sido a turnê com o seu pai (Sting)?

Tem sido muito divertido. Ele tem uma banda de abertura. E depois tem outra parte que eu participo, para no final todos tocarem juntos. E eu também sou backing vocal da banda principal do Sting. Então todos de alguma forma tocam juntos e tem sido muito bom, todos são muito legais. Ficam todos felizes e por isso que é ótimo.

89FM: Você vai tocar junto com o seu pai neste show? Como vai ser?

Vou tocar um pouco de guitarra e violão, fazer o backing vocal e também cantar algumas músicas.

89FM: Quando você decidiu que também seria músico?

Há milhares de anos, quando eu era adolescente. Minha banda favorita era o Nirvana. Quando escutei o som deles, eu formei uma banda, e foi assim que começou.

89FM: Você aprendeu a tocar guitarra com as músicas do Nirvana?

Sim, aprendi a tocar com as músicas deles. Eu fazia ‘power chords’. Também adorava Social Distortion.

89FM: Como você recebeu a notícia da morte de Kurt Cobain na época?

Foi triste. Eu era um adolescente, então fiquei bem deprimido. É uma coisa ruim que acontece com as pessoas. E você fica pensando “será que alguém o ajudou?”. Com certeza ele estava sofrendo bastante. Então eu fiquei muito triste.

89FM: Você já teve a oportunidade de conhecer Dave Grohl (baterista do Nirvana) e Krist Novoselic (baixista do Nirvana)?

Já falei com o Dave Grohl algumas vezes, mas nunca conheci o Krist. Ele parece ser um cara legal.

89FM: Você vai lançar a música “Jelly Bean” (uma expressão em inglês usada para descrever alguém que parece ser bravo, mas na verdade é calmo). O que significa essa música para você?

Fala sobre os meus filhos. Eu tive quatro nos últimos anos e eles mudaram completamente a minha vida. Então agora a maioria das minhas músicas fala sobre eles. “Jelly Bean” fala sobre a alegria em ser um pai. Ter a minha primeira filha foi perfeito. Ela era um pouco “Jelly Bean” e faz tudo ficar bem.

89FM: Você acha que os seus filhos também serão músicos?

Eles já são músicos (risos). Eu não vou ter esse trabalho porque eles já ouvem, fazem e tocam música. Eles compõem também, então podem fazer o que eles quiserem. Eles têm esse poder.

89FM: Qual foi o melhor conselho que o Sting já te deu como pai e como músico?

Como pai, ela fala que não posso ficar ansioso. Não se preocupar demais e tentar se divertir. E que qualquer coisa que você esteja fazendo, provavelmente está fazendo errado, então apenas se divirta.

89FM: Você tem algum álbum favorito dos trabalhos solos do Sting ou do Police?

O álbum“The Soul Cages” foi importante para mim. Foi quando o meu avô faleceu e eu estava muito mal com isso, e esse disco realmente me ajudou a me recuperar. Mas também gosto de várias músicas dele. Eu geralmente gosto de músicas que ele não toca mais. Acho que a minha favorita do Police é “Can’t Stand Losing You”.

89FM: Quais são os seus próximos projetos na música?

Estou fazendo um álbum solo no momento. Espero terminar até o fim do ano. Quero sair em turnê novamente, mas provavelmente vou tocar em lugares menores. No momento tem sido apenas voz e violão, bem simples. Realmente espero terminar tudo antes do Natal.

89FM: Quais são as principais inspirações para o álbum solo?

A maior parte da inspiração são os meus filhos e muito vem desse “cara” (Deus) que fez coisas incríveis e esse mundo é maravilhoso. Então tento olhar o que está a minha volta e começar a escrever e pensar sobre isso. Com certeza pensar na vida no futuro, como nós estaremos em relação ao planeta e tentar ser feliz. Isso é o que eu tento desenvolver nas minhas letras.

89FM: Você acha que a ideia do Vyclone (aplicativo criado pelo Joe Sumner que utiliza o GPS e sincroniza vídeos que estão sendo gravados por celulares que estão no mesmo local por ângulos diferentes) é ainda melhor agora com

o número cada vez maior de pessoas filmando os shows com os próprios celulares?

Sim. Tivemos que desativar um pouco o aplicativo porque estávamos ocupados com a música. Mas você está certo, todo mundo faz isso. Me faz pensar que temos que fazer isso novamente. Todos gravam e vemos vendas de tudo hoje em dia. Seria legal se fizéssemos tudo isso ter um sentido.

89FM: Você compra músicas em forma física (CD / vinil) ou escuta através de streaming?

Eu escuto mais por streaming. Um amigo meu abriu uma empresa de vinil chamada BYNL onde eles enviam três discos todo mês e eles que escolhem os artistas. E também tem uma opção onde você pode ouvir todos os discos. É uma experiência diferente. Eu não gosto da ideia de colecionar esses itens na minha casa e ter milhares de discos. Eu gosto de ser livre de materiais físicos. É difícil de carregar e ocupam espaço. Eu imagino se pudéssemos compartilhar entre todos as cópias físicas. Seria algo legal.

89FM: Tem alguma história engraçada que tenha acontecido na sua carreira que possa nos contar?

Quase tudo é engraçado nesse mundo da música (risos). Lembro que uma vez eu estava na Áustria para fazer um show e o promotor me pediu para tocar no álbum solo dele. Disse que tudo bem, contanto que ele trouxesse a minha esposa para curtir férias por uma semana. Então fiquei um dia escrevendo músicas com ele enquanto ele vivia numa casa no meio do mato e sugeriu que deveríamos escrever uma letra sobre a Paris Hilton. Eu achei que seria estúpido fazer isso. Mas estávamos na Áustria no meio do nada, então por quê não? Escrevemos a música que chamamos de “Paris Paris” que eu achei boba no começo. Mas foi número um instantaneamente na Áustria. Então foi o meu maior hit, e eu não acho que isso aconteceria. Mas foi muito legal e também nos apresentamos em programas de TV.

89FM: Você gostaria de deixar algum recado para os brasileiros?

Estou animado para tocar no Brasil pela primeira vez. Gostaria que todos fossem ao show e também gostaria que ouvissem as minhas músicas e dissessem a sua opinião.

compartilhe
Comente
Redação 89

Dire Straits Legacy prepara álbum de inéditas

A 89 conversou com exclusividade com Phil Palmer, guitarrista que já tocou com vários músicos influentes do universo do rock, como Eric Clapton, só para citar um exemplo.

Phil também faz parte do Dire Straits e atualmente ele comanda o projeto Dire Straits Legacy, que apresenta músicas do repertório da banda que marcou os anos 80.

Esse grupo tributo vai tocar no próximo dia 4 de maio no Espaço das Américas, em São Paulo, mostrando os grandes sucessos do Dire Straits para o público paulistano.

E o mais bacana nisso tudo é que algumas faixas inéditas, que o Dire Straits Legacy acabou de compor, poderão ser apresentadas nesse show.

Phil revelou para a 89 que a banda já tem cinco músicas novas prontas e deve gravar mais outras cinco até o final do ano, para daí lançar um disco cheio, que ainda não tem título definido.

Utilize o player abaixo e ouça a entrevista de Phil Palmer para a 89 A Rádio Rock:

Transcrição da entrevista:

89FM: O que você sabe sobre o Brasil?

PHIL PALMER: Eu já estive algumas vezes no Brasil e sempre me diverti. Estive com a banda do Eric Clapton pela Journeyman Tour no começo dos anos 1990 e ano passado tocando com o Eros Ramazzotti.

89FM: Desde 2013 você tem feito shows com o Dire Straits Legacy. Como aconteceu essa reunião e por quê decidiram fazer uma turnê mundial?

PHIL PALMER: Nós começamos como um conceito. Foi um projeto que começou com o italiano Marco Caviglia, que é muito fã do Mark Knopfler. E gradualmente, chamando um por um, ele teve a ideia de refazer a banda, incluindo alguns integrantes da formação original. E nos divertimos muito. O mais importante é que o primeiro show que fizemos foi em Roma na Itália para um público de seis mil pessoas. Então imediatamente entendemos que o Dire Straits é muito importante para os fãs e com isso começamos a desenvolver a ideia, que inclui quatro membros que tocaram na banda, que somos eu (na guitarra e vocais), Alan Clark (piano, órgão e teclados), Mel Collins (saxofone) e Danny Cummings (percussão e vocais) e as vezes temos convidados como o John Illsley, o baixista original, e então decidimos voltar a estrada e aqui estamos.

89FM: O Mark Knopfler tem conhecimento do Dire Straits Legacy?

PHIL PALMER: Sim, com certeza ele sabe sobre o que estamos fazendo. Quando discutimos sobre o projeto falamos sobre carregar o mesmo respeito e espírito da banda original. Ele não toca mais as músicas do Dire Straits. Ele quer preservar o espírito e a memória do que fizeram. Essa é a principal preocupação dele. Nós adoraríamos que ele fizesse parte disso, mas não acho que isso vai acontecer.

89FM: Qual você acha que é o maior legado do Dire Straits?

PHIL PALMER: É interessante falar disso, as músicas do Mark Knopfler são muito importantes para muitas pessoas no mundo. Trinta milhões compraram o álbum Brothers In Arms. Fez parte da vida delas. É por isso que eu acho que amam as músicas do Dire Straits, pois elas podem reviver alguns momentos divertidos que tiveram quando eram jovens. O interessante também é que o público está se regenerando. Inclui as pessoas da época da banda, mas também jovens de 16 anos que são fascinados pela história e querem ver ao vivo pela primeira vez.

89FM: Você tem uma música favorita do Dire Straits para ouvir ou tocar?

PHIL PALMER: Eu amo tocar “Telegraph Road”, é praticamente uma viagem. São longos arranjos durante 13 minutos. Então eu escolho “Telegraph Road”, “Sultans Of Swing”, claro, “Private Investigations”, “Romeo And Juliet”…eu amo todas na verdade! São músicas ótimas para ouvir e tocar e as pessoas adoram ouvi-las.

89FM: Estão preparando algo especial para os shows no Brasil?

PHIL PALMER: Vamos tocar todas as músicas favoritas do Dire Straits, como “Money For Nothing”, e as que eu já mencionei. Estamos trabalhando em algumas faixas nossas no estilo do Dire Straits e vamos toca-las no Brasil.

89FM: Você já tocou com muitos músicos na sua carreira. Tem algum que ainda não teve a oportunidade de tocar, mas gostaria?

PHIL PALMER: Sim, tem o Donald Fagen. Eu adoraria trabalhar com ele. Foi o responsável por formar a banda Steely Dan, e eles foram uma grande influência musical durante toda a minha vida. Ele é a única pessoa que eu sinto a falta de não ter trabalhado até agora. Mas tem vários outros que eu ainda não trabalhei. Eu toquei em mais de cinco mil músicas nos últimos quarenta anos. Tem sido uma trajetória maravilhosa.

89FM: Se você pudesse reviver algum momento da sua carreira, qual gostaria?

PHIL PALMER: Seria com a banda do Eric Clapton e também com o Dire Straits. É algo próximo. Isso foi entre os anos 1988 até 1992, quando eu acompanhei o Eric Clapton na Journeyman Tour. Nas duas últimas semanas dessa turnê eu estava trabalhando com o Dire Straits e foi muito produtivo. Foi um período muito bom para mim.

89FM: Da nova geração de guitarristas, quais você gosta?

PHIL PALMER: Eu gosto do americano Derek Trucks, que recentemente também tocou com o Eric Clapton. Também tem o John Mayer, que eu acho um ótimo guitarrista.

89FM: Qual é o futuro do Dire Straits Legacy?

PHIL PALMER: Estamos no processo de gravar novas músicas. Acredito que depois de seis meses vamos ter terminado esse projeto. Já gravamos cinco faixas e vamos gravar mais outras cinco. Então provavelmente ainda neste ano vamos ter um álbum completo para lançar.

89FM: O que mudou na indústria musical em relação ao início da sua carreira?

PHIL PALMER: Os computadores mudaram tudo. Acho que nos últimos vinte anos, principalmente dos anos 1990 até agora, mudou bastante. As pessoas não compram mais as músicas, elas fazem download. Então muitos dos problemas financeiros da indústria musical é por conta disso. Como músico, eu adoro fazer shows. Eu sempre quero me apresentar para o público e essa é uma das razões que eu vou tocar na América do Sul em breve.

89FM: Gostaria de dizer algo para os seus fãs brasileiros?

PHIL PALMER: Todos que adoram Dire Straits, tenha certeza que gostamos de tocar essas músicas. Venha nos assistir, vai ser muito divertido e com certeza vamos tocar as suas preferidas.

compartilhe
Comente
Redação 89

Exclusivo: álbum do Prophets Of Rage já está pronto

A 89 fez uma entrevista exclusiva com Tim Commerford, baixista do Prophets Of Rage. A banda  vai tocar na Audio Club no dia 09 de maio e no Maximus Festival Brasil, que será realizado no dia 13 em Interlagos, São Paulo.

O único lançamento dos caras foi o EP “The Party’s Over”. Tim revelou, que o  álbum do Prophets Of Rage já está pronto! Ele contou que quando a turnê pelos Estados Unidos terminou, eles começaram a compor, achando que sairia outro EP, mas acabaram fazendo um disco de 12 faixas.

Sobre os shows no Brasil, Tim prometeu que vai ter música nova e que a banda irá criar um set especial. O baixista também não descartou uma nova reunião do Audioslave.

Curiosidades como, a carreira da banda e política, são outros temas abordados nesta entrevista que pode ser ouvida no player abaixo:

A transcrição da entrevista está aqui:
89FM: Como surgiu o Prophets Of Rage?
TIM COMMERFORD: Foi uma ideia do Tom Morello. Ele chamou para tocar junto com o Brad (Wilk), Chuck D, B-Real e é claro que eu não perderia a oportunidade. O B-Real e o Chuck D são duas grandes influências do hip hop, então foi uma honra. Já tínhamos tocado com B-Real e também com o Public Enemy ao longo dos anos 1990, então foi algo “natural” se juntar com esses caras.

89FM: Vocês lançaram o EP The Party’s Over. Planejam lançar um álbum completo?
TIM COMMERFORD: Nós já fizemos um álbum! Quando a turnê pelos Estados Unidos terminou, nós começamos a compor achando que sairia outro EP, mas acabamos fazendo um álbum com 12 faixas, que está mixado, escrito… está pronto! Nós vamos para o Brasil e tocaremos essas músicas novas, eu não poderia estar mais animado. Esse álbum soa como deveria, com os solos de guitarra, os raps, as linhas de baixo e as batidas de bateria… é um álbum incrível, estou muito feliz e ansioso.

89FM: Sobre os shows no Brasil, estão preparando algo especial?
TIM COMMERFORD: Vai ter música nova e isso é bom, porque não sabemos se esse álbum vai ser lançado e mesmo assim tocaremos. É uma prioridade nossa decidir nos ensaios qual tocaremos e criar um set especial para o Brasil.

89FM: Como foi o show que vocês fizeram contra a eleição de Donald Trump, junto com o Audioslave?
TIM COMMERFORD: Foi incrível, tinham muitos artistas envolvidos numa noite perfeita. Foi ótimo, espero fazer mais shows assim.

89FM: Há alguma chance de saírem em turnê com o Audioslave?
TIM COMMERFORD: Eu não sei, nós não trabalhamos nos preparando para coisas que estão muito à frente de no nosso tempo, futuras. Mas eu não sei, eu diria que tudo é possível.

89FM: Como é seu relacionamento com o guitarrista Tom Morello e baterista Brad Wilk (além do Prophets Of Rage, também tocaram juntos no Rage Against The Machine e Audioslave)?
TIM COMMERFORD: A gente se conhece há 25 anos, temos uma química especial que torna as coisas divertidas e fáceis. Por causa do meu relacionamento com eles, posso ser um músico com a idade que eu tenho, me divertir e crescer pessoalmente também.

89FM: Tem alguma coisa que você ainda não tenha feito como músico?
TIM COMMERFORD: Eu quero ser o melhor baixista que posso e hoje em dia, sinto que eu sou, porque nunca toquei tão bem quanto agora. Hoje estou mais inspirado, então toco mais do que nunca. Para mim os desafios são ver até onde eu chego e conseguir fazer música que signifique algo. Quando eu estiver morto quero deixar um legado, que agora estou inspirado a criar.

89FM: Na sua opinião, os Estados Unidos mudaram com a posse do presidente Donald Trump?
TIM COMMERFORD: Sim, pelo fato dele ser o presidente com esse jeito de ser. Mas tem um lado positivo, que é o fato de que qualquer um pode ser presidente. O sistema que temos desde a Segunda Guerra Mundial tem sido muito corrupto. Desde Roosevelt não houve um presidente nos Estados Unidos que é uma boa pessoa, todos são maus e colaboram para esse sistema. O Donald Trump é um idiota, mas ele simboliza, para mim, que tem alguém bom por aí. Ele inspirou um movimento de protesto, talvez um dia tenhamos um líder que tome conta dessa onda e potencialmente surja uma liderança. Essa é minha visão, as coisas estão mudando, mas podem melhorar.

89FM: Tem alguma mensagem para os fãs brasileiros?
TIM COMMERFORD: O show vai ser ótimo, como eu disse vão ter músicas novas que conversam com as pessoas e com o mundo. Se eu fosse um fã brasileiro estaria bem animado para ver o que nós faremos. Não somos banda cover ou de hits. Nós somos verdadeiros, fizemos um álbum verdadeiro e estamos embarcando numa turnê verdadeira. Vai ser ótimo.

A entrevista foi conduzida pelo Wendell Correia.
Equipe de reportagem da 89FM: Beatriz Sato, Karla Galvão, Luciana Aguillar, Marina Valsechi, Pamela Espíndola, Pamela Júcio, Wendell Correia, Willian Maier, Yuri Danka.

compartilhe
Comente
Redação 89

Linkin Park revela para 89 detalhes sobre novo álbum “One More Light”

A 89 conversou com o guitarrista Brad Delson e o  DJ Joe Hahn do Linkin Park, a banda é uma das atrações do Maximus Festival Brasil, que será realizado no dia 13 de maio em Interlagos, São Paulo.

Eles falaram sobre o processo de produção do novo álbum da banda “One More Light” que vai ser lançado no mês de maio e o que diferencia dos discos anteriores.

Brad contou também como surgiu a parceria com a Kiiara na música “Heavy”.

Sobre o Maximus Festival, o guitarrista revelou que o grupo está trabalhando para as apresentações todo dia e que está construindo um novo show para este ciclo.

Curiosidades como, Grammy, detalhes sobre a capa do novo disco, são outros temas abordados nesta entrevista que pode ser ouvida no player abaixo:

A transcrição da entrevista está aqui:

89FM: Em maio o Linkin Park vai lançar um novo álbum, o One More Light. Como foi o processo de produção?
JOE HAHN: Normalmente começamos com a música: pode ser algo programado, com a bateria, guitarra ou qualquer outro instrumento. Então, depois nós criamos a melodia e as palavras. A gente sempre tentou fazer com que os vocais combinem com a música. Nunca conseguimos fazer isso, sempre acabamos voltando para o “jeito natural” de criar uma música.
Este álbum realmente teve uma mudança, a música nasceu fora do conteúdo lírico. A melodia, as palavras, eram como a resposta da questão “como estamos nos sentindo hoje?”. Foi assim que a gente quis escrever as músicas, então a melodia foi escrita depois da parte vocal.

89FM: O Linkin Park tem seis integrantes, um número grande comparado a outras bandas de rock. Como vocês entram em acordo para criar as letras e as músicas?
BRAD DELSON: Um sempre cria se o outro corresponde. Nós somos como um ímã. Realmente tivemos comprometimento durante o processo de gravação. Decidimos passar o nosso tempo até termos a certeza de que criamos algo que temos orgulho e amamos e se nós não tivéssemos conseguido isso, ainda estaríamos no estúdio produzindo.

89FM: Musicalmente falando, o que diferencia o álbum One More Light dos álbuns anteriores?
JOE HAHN: A diferença neste álbum é que boa parte foi criada de forma eletrônica. O que foi bom, porque conseguimos focar em criar novas ideias de forma rápida e escrever as letras. Isso gerou um bom fluxo e apesar do anseio de escrever as letras, o álbum reflete a harmonia entre a base eletrônica e a forma das músicas do Linkin Park.

89FM: Qual é o significado do nome One More Light?
BRAD DELSON: É a primeira vez que damos o mesmo nome de uma música para o disco. Para mim, ela tem um significado mais especifico e o nome do álbum tem um significado diferente. Eu acho que para cada pessoa terá um significado diferente e único. A única forma de saber, é ouvir as músicas.
São dez faixas e cada uma foi escrita individualmente. Não é um álbum conceitual. Contudo há um tipo emoção entre cada uma das músicas. O nome e até a foto de capa corresponde a um sentimento que a gente sentiu.

89FM: A foto de capa do álbum mostra algumas crianças brincando no mar. Como surgiu essa arte?
JOE HAHN: O trabalho é de um cara que trabalha junto com a banda, ele tem sido nosso diretor de arte. Esta foto que ele tirou é meio que pessoal. Eu nem tinha visto, mas quando conversei com ele outro dia, ele me contou que quando tirou a foto já sabia que seria algo especial e estava guardando para algo especial também.

89FM: Quais são as músicas favoritas do One More Light para vocês?
BRAD DELSON: Eu gosto da Música “Sharp Edges”, é a última faixa. Também amo “Heavy” porque é um tipo de música que as pessoas se conectam desde o seu início. Estamos realmente muito orgulhosos em saber que foi a primeira música que as pessoas ouviram.

JOE HAHN: Eu diria que a música “One More light” porque ela é muito importante.
89FM: Como surgiu a parceria com a Kiiara na música “Heavy”?

BRAD DELSON: Aconteceu naturalmente. A gente colaborou com muitas pessoas durante o processo, com produtores, escritores, músicos. A Kiiara é uma artista que a gente conheceu através do Zen. Os dois conversaram um pouco e ele mostrou a música “Heavy” e quando ela ouviu a música amou e já quis cantar. Quando ouvimos com a voz dela achamos que tinha ficado incrível e acabou acontecendo a parceria.

89FM: Vocês leem comentários e feedbacks que as pessoas dão para a banda?

BRAD DELSON: Sim, mas apenas os positivos.

89FM: Qual é a parte mais difícil de ser músico?
BRAD DELSON: Eu acho que é a parte artística, porque para criar algo realmente bom, tem que vir de uma inspiração genuína. Você não consegue se colocar em uma posição onde fica fora de uma tempestade, uma pipa e uma chave – metaforicamente falando. Você tem que ficar lá para que a tempestade chegue. Acho que para nós, foi ir para o estúdio todo dia. Provavelmente escrevemos 17 músicas…15 dessas delas não eram boas. Algumas era até que aceitáveis, mas não excelentes. Outras bem ruins. No caso destas dez músicas do novo álbum todas são especiais. Porque algo especial aconteceu quando formos para o estúdio! Naquele dia, trabalhamos nas músicas até que estivessem prontas.

89FM: Qual é a opinião de vocês sobre pessoas que tentam limitar a expressão artística da banda?

BRAD DELSON: Não importa, porque as pessoas irão ouvir nossa música e irão decidir por elas mesmas. As músicas falam por si só, mesmo quando a pessoa está conectada com ela ou não.

JOE HAHN: Eu acho que é possível compreender de duas formas diferentes. A primeira é que eles estão tentando me falar o que eu devo fazer, mas eu acho que se eles têm uma grande opinião sobre isto, falando que gostam das músicas antigas, significa que estão conectados com algo nosso, o que é bom. Ainda há uma apreciação deles e nós estamos dando diferentes capítulos. A outra forma é que ouvimos opiniões diferentes falando quais são as músicas favoritas e eu tenho isto como uma forma de encorajar a banda.

89FM: O Linkin Park já fez uma parceria com o Jay Z e agora com a Kiiara. Tem algum outro artistas que gostariam de colaborar no futuro?

JOE HAHN: Sim. Tem tanta música boa lançada a cada dia. Acho que essa é a parte mais legal. Tem muitos escritores, produtores e artistas talentosos. Todos os dias tem alguém novo contribuindo para a cultura, é realmente uma honra sermos capazes de colaborar com qualquer um que seja talentoso, estando ele super conhecido ou não.

89FM: Vocês escutam bandas novas?

JOE HAHN: Eu não diria bandas, mas sim artistas de todos os tipos. Acho que o rock é um dos gêneros que mais se inovam! O que acho legal da música pop é que atualmente se tornou normal fazer a junção de elementos desses gêneros, e esta era originalmente a nossa ideia. Quando começamos, éramos e ainda somos o produto desses tipos de músicas e amamos eles. Não queremos fazer um único tipo de música, queremos juntar elementos diferentes em nossas músicas.

89FM: O Linkin Park se apresenta no Brasil no Maximus Festival no dia 13 de maio. Será a quinta vez da banda no país. Alguma memória sobre o país? Vocês fizeram um show muito elogiado no estádio do Morumbi em São Paulo.

JOE HAHN: Eu não consigo lembrar como foi nosso primeiro show em um estádio… faz muito tempo.

BRAD DELSON: Foi em 2004.

JOE HAHN: Foi muito divertido, é surreal estar nesta banda. Não é estranho pensar sobre isso?

BRAD DELSON: Não, é normal (risos).

JOE HAHN: Nós amamos o Brasil, nós temos ido para o Brasil.

BRAD DELSON: A última vez foi muito legal, porque a gente conheceu um pouco. Conseguimos sair com alguns lutadores brasileiros de UFC. O Anderson Silva e o Minotauro estavam com alguns amigos. Foi muito legal sair com eles.

89FM: Como é se apresentar em países onde nem todos sabem falar inglês, mas cantam as letras das músicas?

JOE HAHN: É realmente lindo. O verdadeiro poder de uma música e de uma boa melodia, é que são universais.

89FM: Vocês estão preparando algo especial para o Maximus Festival?

BRAD DELSON: Sim, estamos. Os shows na América do Sul serão os primeiros deste álbum. Estamos trabalhando para as apresentações todo dia e acaba parecendo meses. Estamos construindo um novo show para este ciclo. Estamos muito animados para mostrar ao Brasil.

89FM: O Linkin Park está a praticamente 20 anos com a mesma formação. Eles comentaram sobre isso. Vocês gostam mesmo um do outro ou é apenas uma relação profissional?

BRAD DELSON: Significa que a gente realmente se gosta. Não acho que só o profissional iria funcionar, pois temos que criar juntos. Por isso, temos realmente que gostar um do outro, o que é notável. Isso porque alguns de nós frequentaram a escola juntos ou já éramos amigos antes de formar a banda. Acho que é esta a “cola” que nos faz ficar juntos por tanto tempo e enfrentar qualquer desafio. E o Joe é um cara bonito (risos).

89FM: O Linkin Park já ganhou dois Grammys: em 2001 a música “Crawling” ganhou como Melhor Performance de Rock e em 2004 a música “Numb / Encore”, que fizeram com o Jay Z, ganhou como Melhor Colaboração de Rap. Vocês sentiram que foi reconhecimento ou foi algo sem importância?

BRAD DELSON: É sempre uma grande honra ser reconhecido pelo nosso público, temos muito orgulho. Ao mesmo tempo a música está além disto! A gente tem que realmente gostar da música, e depois todos os reconhecimentos que ganhamos delas, é simplesmente bom. Mas isto começa com uma obsessão em fazer música boa. E se ela é boa, ótimo! Não necessariamente precisa de um troféu para ter o reconhecimento.

89FM: Como tem sido a rotina para a nova turnê?

BRAD DELSON: A gente chega no ensaio e esperamos os outros chegarem, então pedimos comida. Parece que estamos trabalhando muito tempo, se você olhar pela quantidade de horas que passamos no estúdio, é um trabalho duro.

89FM: Qual é a opinião de vocês sobre estar em uma banda do nível do Linkin Park que tem ganhos financeiros altos?

BRAD DELSON: Não estamos neste “barco”. A parte boa de estar em uma banda é que você não pode ter um ego grande, caso contrário você é cortado da banda. Então acho que temos feito um excelente trabalho para não mudar isto. O Joe me dá os tesouros dele (risos).

89FM: Vocês compram coisas extravagantes?

JOE HAHN: Nunca tivemos isso, mas se tivermos uma fazenda em Marte seria interessante.

89FM: Três músicas do Linkin Park foram trilhas sonoras para os filmes dos Transformers. Como foi isso?

BRAD DELSON: Foi um fato curioso, porque quando estávamos pensando em colocar uma música nossa no filme Trasnformers, o diretor Michael Bay veio com a equipe dele neste hotel e mostraram um pouco do filme com a nossa música. Conversamos e acabamos construindo uma relação das músicas dos Linkin Park com os filmes. A música não tinha sido lançada ainda, só tinha uma pequena prévia. Foi um trabalho meio que nos bastidores.

89FM: Vocês veem a influência do Linkin Park em alguma banda que surgiu depois do Linkin Park?

BRAD DELSON: Eu acho que tem bastante, mas principalmente por termos ficado populares em 2000 e assim continuou. Várias pessoas que eram mais novas, hoje são mais velhas e possuem uma banda. É bem legal porque encontramos essa galera e eles nos falam que a gente os influenciou. Isso é legal, mas faz a gente se sentir velhos (risos).

compartilhe
Comente
Redação 89

Ouça entrevista exclusiva com Kirk Hammett, do Metallica

A 89 fez uma entrevista exclusiva com o Kirk Hammett, guitarrista do Metallica, atração principal da primeira noite do Lollapalooza 2017.

Os caras já estiveram no Brasil diversas vezes, Kirk falou que desde o primeiro show que fizeram por aqui o Brasil sempre foi incrível e o público é ótimo.

Sobre o novo disco “Hardwired…to Self-Destruct”, a Rádio Rock perguntou o significado, se é algo interno da banda ou uma mensagem para o mundo.

Curiosidades como, trabalhar com Lou Reed e Lady Gaga são outros temas abordados nesta entrevista que pode ser ouvida no player abaixo:

A transcrição da entrevista está aqui:

89FM: Vocês já estiveram no Brasil várias vezes. Como é tocar no país?
KIRK HAMMETT: O Brasil sempre foi incrível para nós, desde que estivemos aqui pela primeira vez 1989. Sempre temos certeza que vamos nos divertir por causa do público, que é ótimo. Exatamente agora enquanto conversamos é possível ouvir eles cantando junto com as outras bandas. Quando a gente vai para o palco, eles cantam a música, os riffs de guitarra…eu amo isso!

89FM: Sobre o novo álbum, por quê o nome Hardwired…to Self-Destruct?
KIRK HAMMETT: Hardwired…to Self-Destruct é uma analogia de títulos que pode se aplicar a qualquer coisa. E gostamos disso. Não gostamos de ser muito literais quando estamos intitulando os nossos trabalhos. Gostamos de dar nomes que ficam abertos para interpretação, significados pessoais ou algo do tipo. Mas gostamos quando as pessoas interpretam de acordo com as próprias perspectivas.

89FM: Como foi trabalhar com Lou Reed?
KIRK HAMMETT: Eu sou fã dele desde pequeno. Quando eu estava na série já ouvia “Walk On The Wild Side”, lembro de estar com os meus amigos cantando essa música. Conhecer Lou Redd e ter ele em uma situação de colaboração, foi como um sonho para mim e a gente se deu muito bem. Ele tinha uma fama de ser um velho meio rabugento, mas ele nunca foi assim comigo, ele sorria. Ele veio em casa e em certo momento eu mostrei para ele a minha coleção de pôsteres de filme de terror e ele gostou muito. Acabei descobrindo que ele também gosta tanto quanto e eu e percebi que temos uma relação única.

89FM: E como foi trabalhar com a Lady Gaga? Alguma chance de trabalharem juntos novamente?
KIRK HAMMETT: Ela é um indivíduo muito interessante de trabalhar. Ela sendo quem ela é e nós sendo a banda que somos, é nítido a diferença. Foi interessante trabalhar com ela. Nos ensaios ela sabia todas as letras das músicas, alcançava todas as notas. Ela é muito profissional. Isso nos impressionou porque já tivemos situações parecidas e pensávamos “como isso vai funcionar? ”, mas com ela foi muito legal e profissional. Mas nós não sabemos como vai ser no futuro, talvez nós faremos, talvez não.

89FM: Você já fez muito na música com o Metallica. Tem algo que você ainda não tenha feito?
KIRK HAMMETT: Eu gosto muito de outros tipos de música, adoro Bossa Nova, Jazz e quero fazer minhas versões desses estilos. Eu não tenho ideia de como isso vai soar, mas sinto que meio “groove” e agressivo. Eu às vezes sou uma pessoa brava e isso acaba saindo na minha música.

89FM: O que você acha que fez o Metallica se destacar?
KIRK HAMMETT: Quando estamos juntos criamos um som que dá para saber que é nosso. Eu poderia criar várias teorias sobre isso, mas toda vez que penso nisso, algo acontece que me faz pensar “ah, talvez não seja isso, talvez seja outra coisa”. No final das contas, eu percebo que são os elementos mais simples: nós quatro tocando fazemos algo que as pessoas reagem. A gente toca o que quer tocar, o que nos inspira, é divertido e nos entretém. E as pessoas estão convidadas a se juntar, esse é o tema da festa. Eu poderia dizer que “as pessoas gostam da gente porque nossas músicas são atemporais, é um som que se identificam”…eu poderia ficar falando isso de várias formas, talvez seja uma dessas coisas ou talvez sejam todas elas, eu não sei, mas gosto de ver que ainda temos um público mesmo depois de todo esse tempo e eu sou muito grato e abençoado. Acima de tudo, quero crescer como músico e fazer o que é mais importante para mim: ser o melhor músico que eu consigo para as pessoas que querem ouvir nossa música.

89FM: Com todo o seu sucesso e experiência, que conselho você daria para quem está em uma banda que está começando?
KIRK HAMMETT: É muito importante ser original, ter algo diferente para oferecer. Ser capaz de mostrar, criar algo interessante e se manter com a ideia. Tem muitos músicos e bandas que pairam como se fosse em um limbo, porque são todos muito parecidos e se você quer fazer sucesso, tem que se encontrar, criar um som que seja único e que esteja confortável com ele para que você permita que o som cresça dentro de você. Acho que o melhor conselho que eu posso dar é: seja original. Tudo bem ser inspirado por outros tipos de música e artes, mas é realmente importante querer e correr por algo diferente que não tenha sido feita por ninguém. Pode até parecer surreal, mas é assim que as novas coisas são descobertas, você tem que dar o primeiro passo. Quando o Kill ‘Em All surgiu, éramos os caras estranhos, ninguém queria nada com a gente. Parecia que tínhamos alguma doença, ninguém queria nada com a gente. Eventualmente as pessoas vieram a entender que o que a gente faz é diferente e que temos algo a mais a oferecer, em relação ao que já era oferecido para eles antes de nós. Minha visão é: crie algo diferente, com diferentes cores, técnicas, abordagem porque será interessante.

89FM: Como as coisas mudaram pessoalmente para você e com a banda depois de todos esses anos com o Metallica?
KIRK HAMMETT: É incrível, porque você pode olhar de diferentes formas. Posso me ver no centro de tudo e ver as coisas crescendo ao redor. Depende do tipo de perspectiva que eu escolho e dou foco, mas tenho que falar que sou extremamente grato a tudo que já tenha acontecido comigo e com a banda. Tivemos muitos altos e baixos em nossas relações, mas no final do dia, sempre somos motivados a nos unir, fazer música e é como se tivesse escrito em nosso DNA. Nós temos personalidades parecidas, sempre queremos dar o nosso melhor. Vejo o quanto a nossa música ajuda as pessoas. No final do dia eu estou lá só para ajudar as pessoas e tocar a minha guitarra, eu amo tocar a minha guitarra! Então para mim é muito difícil não amar tudo isso. Gosto de estar em frente ao público, tocar a minha guitarra bem alta e amo ver como o meu jeito de tocar transforma positivamente as pessoas. Sou muito grato por poder estar em uma situação como esta, me sinto o cara mais sortudo do mundo. Os outros três são os caras mais sortudos do mundo! Eu não tenho tudo isso como se já tivesse ganho tudo. Acordo todo dia de manhã e checo se sou a pessoa que eu gostaria de ser. Ainda estou trabalhando na pessoa que quero ser e também quero ser algo a mais. Estou feliz de estar em um momento abençoado.

89FM: Como vocês se mantém modernos e motivados?
KIRK HAMMETT: Estamos constantemente crescendo como pessoa e como músicos, nunca achamos que estamos felizes e satisfeitos onde estamos. Acho que somos criativos como artistas e não descansamos. Eu sei que sempre estou atrás de algo novo, uma nova técnica de guitarra, de som. Sei que quando ouço uma música que eu gosto, pego a minha guitarra e começo a tocar a música com a finalidade de aprender algo novo. Quero dizer que eu ainda sou musicalmente curioso e os outros caras também. Acho que é isso que faz com que a gente pareça musicalmente renovados, é o fato de sermos curiosos e sempre estar em busca de aprender algo novo e juntar esses conhecimentos de uma forma que a gente nunca fez antes.

89FM: O que você gostaria de dizer para os seus fãs brasileiros?
KIRK HAMMETT: Estamos muito felizes por estarmos na América do Sul, principalmente no Brasil. É um lugar maravilhoso e estamos contentes por estar de volta e trazer um Heavy Metal incrível.

Acesse o player abaixo e assista à entrevista completa, liberada no canal oficial do YouTube da 89:

compartilhe
Comente
Redação 89

Lollapalooza: 89 conversa com Two Door Cinema Club

A 89 conversou com os caras do Two Door Cinema Club no segundo dia do Lolapalooza Brasil 2017, que rolou nos dias 25 e 26 de março no autódromo de Interlagos, em São Paulo.

O Sam Halliday, guitarrista da banda, contou sobre o mais  novo álbum “Gameshow” e disse que se orgulha da banda. Sobre o Brasil e o Lollapalooza Brasil, o músico falou que o público é sempre incrível: “Somos muito sortudos por ter a chance de tocar este ano”.

Os caras relevaram quais foram as influências musicais que tiveram ao longo da vida, Sam disse que foi o Nirvana, quando ouviu o disco “Nervermind”.

Curiosidades como o processo criativo da banda, um novo álbum, turnê e como foi tocar nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012, são outros temas abordados nesta entrevista que pode ser ouvida no player abaixo:

A transcrição da entrevista está aqui:

89FM: O que vocês esperam do público brasileiro no Lollapalooza?
SAM: Estamos com um novo álbum, uma banda nova no palco, está tudo muito novo.
A plateia é sempre incrível. Somos muito sortudos por ter a chance de tocar este ano, estamos muito ansiosos para tocar.

89FM: O mais recente álbum, o Gameshow, tem um som único. Como vocês descreveriam o disco?
SAM: Eu nunca tive a capacidade de descrever a nossa música, mas eu vejo isso como uma coisa boa. Obrigado por falar que nosso som é único, também concordo com você e é uma das coisas que tenho mais orgulho desta banda, temos uma característica própria. Não ficamos pensando muito, não saímos por aí tentando achar um som diferente, a gente simplesmente tem um e eu quero dizer que é uma coisa que eu sempre tive orgulho e gosto muito. Mas se você quiser classificar em um estilo é música pop.

89FM: Os brasileiros são conhecidos por sua musicalidade, os irlandeses também. Quando vocês eram pequenos, já planejavam se tornar músicos e vocês foram influenciados por algo?
SAM: Sim.

KEVIN: Está na história da banda, nós começamos a tocar juntos aos 15 anos. Individualmente sempre tivemos interesse pela música, seja ouvindo ou tocando desde criança. Eu e o Alex aprendemos a tocar instrumentos clássicos quando tínhamos entre 6 e 7 anos. Então sim, sempre foi parte de nossa vida seja ouvindo ou tocando alguma música.

89FM: Vocês poderiam comentar sobre as influências de quando estavam crescendo?
SAM: Uma das bandas que me afetou foi o Nirvana, acho que nessa época eu tinha uns 11 anos quando eu ouvi “Nervermind” e aquilo foi tão emocionante que fez com que eu comprasse a minha primeira guitarra, escrevesse a primeira música e me fez juntar a primeira banda. Nada disso teria acontecido se não fosse o Nirvana.

89FM: Como é o processo criativo da banda?
SAM: A gente não tem um processo criativo, cada coisa aconteceu em um lugar diferente. Nós transitamos por cada zona, tocamos nosso próprio instrumento, conseguimos ter controle de cada área e do que acontece na banda. A maioria do que acontece vem do refrão das músicas, ideias de vocais, da guitarra. Juntamos tudo quando estamos no estúdio hoje em dia. Quando começou ficávamos junto em um quarto e costumávamos tocar ao vivo, porque ensaiávamos todos os dias e não temos mais esse tempo. Então, nós escrevemos alguns fragmentos quando estamos na estrada, quando temos algum tempo livre e depois nos juntamos no estúdio e juntamos tudo como um todo.

89FM: O que os seus fãs podem esperar para o futuro? Algum álbum novo?
ALEX: Nós voltamos a fazer turnês em abril do ano passado e não acredito que já passou um ano. Acho que estamos retomando os shows e vamos dar um passo para trás para pensar na próxima coisa que vamos fazer. Eu não sei…

89FM: O que você gosta mais de fazer: escrever músicas ou sair em turnê?
ALEX: Para mim, a melhor parte que eu faço é escrever as músicas, ser capaz de experimentar. Não tem nada que seja igual ao sentimento de terminar uma música nova. Antes, honestamente, eu odiava sair em turnê, tudo o que queria fazer era ficar no estúdio. Mas de uns tempos para cá, tenho aproveitado esse tempo de shows e saindo mais do estúdio. Balancear tudo isso é importante, mas se você me perguntar qual eu prefiro ainda vou falar que é estar no estúdio.

89FM: Como foi tocar nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012?
SAM: Foi inacreditável. E, quando eu olho para trás e penso nas Olimpíadas ainda não parece que foi real, parece que foi um sonho, tudo aconteceu muito rápido.
Foi muito importante para nós fazer parte deste momento e também foi uma grande honra. É algo que eu jamais vou esquecer.

89FM: O que faz o álbum Gameshow ser único para vocês se comparado com os outros trabalhos a banda?
KEVIN: Esse disco se destaca, por ter muito tempo entre ele e o nosso último álbum, de ser totalmente diferente. Conforme a gente cresceu como banda, envelhecemos/ amadurecemos, foi uma evolução para nós, musicalmente. E, eu acho, que se não tivéssemos feito o álbum nesses 4 anos que ficamos “fora”, talvez ele não fosse tão diferente. Então, para mim, é por isso que ele parece tão diferente dos outros discos. Nós continuamos descobrindo coisas novas e velhas e eu acho que isso complementa o que você está fazendo.

89FM: QuTem alguma música de vocês que surpreendeu pelo jeito que as pessoas reagiram ou o jeito que ela ficou?
ALEX: Muitas músicas quase não “aconteceram”. Muitas vezes, você se atrai por coisas que funcionam muito fácil e muito bem, mas as vezes não. Você precisa de algo ou alguém para “reviver” isso das cinzas e tem algumas músicas em que posso pensar. Uma das músicas do nosso álbum chamada “Lavender”, era totalmente diferente, a gente meio que separou em pedaços e juntou tudo várias vezes, isso irritava muito. Parecia que não era para acontecer, ainda mais porque tem outras músicas mais populares no álbum, especialmente ao vivo. Então acho que essa é uma.

89FM: Vocês querem deixar uma mensagem para os fãs brasileiros?
SAM: Sim, amamos nossos fãs brasileiros. Faz muito tempo que a gente não vem para cá e estamos muito ansiosos para subir no palco e mostrar tudo o que a banda tem.

compartilhe
Comente
Willian Maier

Catfish And The Bottlemen elogia público brasileiro

A 89 fez uma entrevista exclusiva com os caras do Catfish And The Bottlemen, mais uma atração que chegou pela primeira vez ao Brasil para tocar no Lollapalooza 2017.

A Rádio Rock perguntou da expectativa que eles tinham para estrear por aqui e ouviu só elogios, como “O Brasil tem o melhor público do mundo”.

Curiosidades como a relação dos caras com a banda Stereophonics e a cena musical do País de Gales são outros temas abordados nesta entrevista que pode ser ouvida no player abaixo:

A transcrição da entrevista está aqui:

89FM: É a primeira vez de vocês no Brasil. Quais são suas expectativas com o público brasileiro?
JOHNNY BOND: A gente só ouviu falar coisa boa sobre os públicos da América do Sul. Tocamos a primeira vez na Colômbia e foi surpreendente.

VANN MCCANN: Todas as bandas, empresários e gravadoras que encontramos no caminho dizem que é o melhor público do mundo, uma vez que você o conquista. Essa é nossa primeira vez, então temos que voltar várias vezes.

JOHNNY BOND: É legal saber que tem um público que é apaixonado por música assim como nós somos por tocar.

89FM: Você começaram no País de Gales. Como é a cena musical no país?

VANN MCCANN: Os brasileiros devem conhecer os Stereophonics, que é uma banda bem famosa e que tem crescido muito. Eles nos deram a chance de tocar a primeira vez em um estádio, que fica a 20 minutos de onde crescemos. Eu e meu pai costumávamos ouvir e ir à shows deles. Eles nos deram apoio ano passado, então eles são uma boa escolha para os galeses rockeiros. Também tem os Manics Street Preachers…
JOHNNY BOND: O Super Furry Animals também.

89FM: Vocês vão ser headliners de um novo festival em Londres, o Community. Como será esse festival?

VANN MCCANN: Acho que vai ter umas 40 mil pessoas e eu pensei “será que vamos vender isso em Londres? ”, porque somos do norte da Inglaterra e quando íamos para lá não conhecíamos muitas pessoas para nos ajudar. O Bob Hall, nosso baterista, vai toda manhã correr nesse parque onde será o festival e no dia do Community ele não poderá ir porque vai estar tudo fechado para nossa banda ser headliner. É bem animador, especialmente por ser na “capital do mundo”.

89FM: Qual importância de um festival como o Lollapalooza para vocês, com muitas bandas e estilos diferentes e vocês fazendo parte disso?

VANN MCCANN: Eu posso dizer o quão importante é só pelo segundo dia do festival, que terá The Strokes. Eu adoro eles, crescemos ouvindo e eu e Bond vamos assistir.

JOHNNY BOND: Nós pensamos “eles vão tocar, que legal! ”. No The Governors Ball em Nova Iorque, o The Killers era headliner e eu e Vann ficamos na coxia do palco cantando junto com a banda.

VANN MCCANN: Esse festival foi bem pensando no line up e palcos, você pode ver o que gosta ou algo que não conhece. E aí quando você vê percebe já está comprando álbuns, camisetas e pendurando pôsteres na parede dessa banda que acabou de conhecer.

JOHNNY BOND: Os festivais fora da Inglaterra são mais ecléticos, em lugares como Austrália, Japão e Brasil. O Duran Duran vai tocar depois da gente, quer dizer, você não veria isso em um festival na Inglaterra. Essas misturas são ótimas.

VANN MCCANN: Acabamos de voltar da Colômbia, tocamos no Estereo Picnics e a reação dos fãs eram ótimas, cantavam todas as letras. Quer dizer, alguns deles nem falam nossa língua, como é que cantam com a gente? Nem na Inglaterra sabem todas nossas letras, mas aqui isso não importa. A gente sempre trabalha as músicas e já tocamos em vários festivais com o primeiro álbum, percebemos quais funcionam melhor e quais não. No segundo álbum a gente já sabia como fazer uma gravação ao vivo e eu e Bond estávamos falando sobre o The Killers e seu setlist de festival. Então estamos sempre escrevendo, não nos importamos com as paradas, rádios, prêmios ou compor algo que anime as pessoas ao vivo. Tem algo que quando a música te emociona ao vivo, não importa se ela tem fraseados marcantes, é mais sobre como ela soa grande e como te faz sentir.
JOHNNY BOND: A gente sempre disse que não teria um hit, mas o fato de sermos atração principal para 40 mil pessoas em um festival nos obriga isso.

VANN MCCANN: Não queremos uma música hit, queremos escrever álbuns. Isso que é legal, porque qualquer coisa que tocamos, pode ser qualquer faixa do álbum, sem ser necessariamente um hit, todos cantam. Não importa se é uma faixa B ou se é a que toca nas rádios.

89FM: Tem alguma música que vocês acharam que tomaria uma direção, mas tomou outra?
VANN MCCANN: No primeiro álbum, The Balcony, tem a música “Hourglass”. Ela era completa, com instrumentos, mas nós voltamos atrás e fizemos acústica e hoje tocamos ela assim. Para mim ela tem 2 minutos, mas as pessoas cantam como se fosse uma grande balada e isso me surpreende.

JOHNNY BOND: No estádio de Wembley, ano passado, fui para o canto do palco para olhar as pessoas cantando, foi um momento de imersão.

VANN MCCANN: Teve uma música que estávamos compondo na estrada e eu disse para o Bond “imagina quando você fizer esse solo, como o público vai reagir”. A primeira vez que a tocamos ao vivo, foi exatamente como tínhamos imaginado, foi quase como se nós tivéssemos escrito um roteiro e os fãs foram os atores da nossa peça.

89FM: E qual música é essa?

VANN MCCANN: É uma parte da letra de “Outside”: “I just came along for the ride
and I tried my best to keep away from you” acho que tudo que escrevo é positivo, mas as vezes pode parecer algo do tipo “quem te machucou Vann? Quem quebrou seu coração?”. Nunca estou compondo algo dramático, mas sim sobre experiências positivas. Quando tocamos em Dublin, um fã tinha uma placa escrito “ I just came along for the ride but stayed for Larry”, que é nosso técnico de guitarra.

89FM: O que os fãs podem esperar sobre álbuns novos e turnês?

VANN MCCANN: A gente foi instruído a não fazer nada agora para terminamos nossa turnê. Daqui vamos para os Estados Unidos e ficamos um mês por lá, depois Inglaterra, Austrália, Japão, voltamos para os Estados Unidos, Espanha…Falando sobre nossas músicas novas, estão tão boas, massivas, cheia de cor. Quando começamos, esperávamos chegar esse momento onde estamos agora: tocar no estádio Wembley, vir para a América do Sul, Austrália e Japão. Em 2016 e 2017 parece que esses planos tomaram vida. Então as músicas de agora mostram exatamente onde queremos estar. Quer dizer, se há dois anos fizemos The Balcony e estamos aqui, imagina o que fizermos agora onde estaremos em 2018, 2019? Vai ser uma ótima jornada.

89FM: Vocês gostariam de deixar alguma mensagem para os fãs brasileiros?

VANN MCCANN: Sim! Amo todos vocês, especialmente os que estavam no aeroporto quando chegamos, com as bandeiras.
JOHNNY BOND: É muito legal o jeito que vocês recebem a gente, desejo tudo de bom.

VANN MCCANN: Nós vamos voltar todas as vezes que vocês quiserem e lá pela terceira vez, que é minha previsão, vai ser insano aqui, todos se animarão com todas músicas e com tudo!

compartilhe
Comente