Redação 89

89 Entrevista: Ian Astbury, do The Cult

A 89 conversou com o Ian Astbury, vocalista do The Cult, que se apresenta em São Paulo no dia 21 de setembro junto com o Alter Bridge e o The Who no São Paulo Trip.

Os caras já tocaram no Brasil em outras oportunidades, o que mais marcou o Ian foram o espírito, a energia, a paixão e como os brasileiros valorizam a vida.

O vocalista também falou sobre as músicas favoritas para cantar ao vivo e os próximos planos do The Cult.

Ian ainda lamentou a morte dos músicos Chris Cornell e Chester Benningnton e revelou detalhes do seu último encontro com Chris Cornell.

Utilize o player abaixo e ouça nosso bate papo com Ian Astbury:


Transcrição da entrevista:

Eles já tocaram no Brasil em outras oportunidades. Perguntamos o que ele lembra do país.
Ele achou a pergunta diferente, porque geralmente perguntam sobre o que sentem e não o que lembram. Disse que o Brasil é muito diferente entre uma cidade e outra, como Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Brasilia. O que mais marcou o Ian foram o espírito, a energia, a paixão e como os brasileiros valorizam a vida. Passa a sensação que o Brasil é um país muito vivo, vibrante e cheio de alma, o que empolga. Ama tocar no Brasil e não vem com mais frequência devido a questões financeiras que envolve trazer uma banda como o The Cult. Quando vem, gostam de fazer vários shows e aproveitar o lugar.

A gente quis saber se eles estão preparando algo especial para o show em São Paulo.
O Ian lembrou que eles têm dez álbuns de estúdio e pretende tocar todos os hits do The Cult. Como vão tocar com o The Who, provavelmente terão cerca de uma hora de show. Diz que a banda está bem preparada, mas tudo também depende da produção e do cronograma. No último um ano e meio fizeram cerca de 150 shows, então estão em forma. Lembrou de um show muito bom que fizeram em um festival de Portugal com o Foo Fighters para cerca de 50 mil pessoas. Então para ser bom, também depende do comportamento do público. Eles têm a intenção de criar uma mágica especial nesse show.

O Ian também falou sobre as músicas favoritas para cantar ao vivo.
Ele tem muitas e destacou as do novo álbum, como “Deeply Oredered Chaos”, “Dark Energy”, “Sound And Fury” e “Birds Of Paradise”, que tem sido bem recebida pelo público. Lembrou ainda de “She Sells Sanctuary”, “Phoenix” e o novo arranjo que fizeram para a música “Sweet Soul Sister”.

Ele também falou sobre os próximos planos do The Cult.
Para o Ian, o foco principal continua sendo o álbum “Hidden City”, que eles lançaram em 2016. Contou que a intenção era a turnê começar na Argentina porque a ideia do nome surgiu quando viu uma camiseta que o jogador Carlos Tevez usou durante um jogo que estava escrito o nome do bairro onde ele cresceu. O Ian se identificou com essa paixão e respeito por onde ele veio e que mesmo com o sucesso não esqueceu da família e dos amigos. O que mostra que ele é um bom caráter e se move pela emoção, pois na camiseta não estava escrito “sou o melhor” ou uma marca de roupa. O Ian pensou que seria interessante se preocupar menos com o mundo externo e pensar em nós mesmos. Acha que “Hidden City” representa o coração dos sentimentos mais profundos, pois tudo que pensamos está no coração. Fala ainda que mesmo que você vendesse seu coração por 1 bilhão de dólares, de nada valeria o dinheiro, já que você morreria.

Ele também falou sobre o Chris Cornell e Chester Benningnton.
O Ian acha que são mortes simbólicas que mostram os tempos que estamos vivendo. Conta que conheceu o Chris em 1990 no começo da carreira quando o The Cult e o Soundgarden tocaram no Festival “Gathering Of The Tribes”. Na época ainda assistiu um show do Soundgarden para 100 pessoas em Los Angeles. No começo da carreira, segundo o Ian, o Chris era um jovem muito apaixonado, incrivelmente talentoso e bonito. Acompanhou toda a carreira dele e lembrou que sempre fazia cada vez mais sucesso. O Ian também teve amigos que se suicidaram. Acha que é algo muito íntimo você se apresentar para outras pessoas e há muitas coisas envolvidas em uma turnê, como hotel e ônibus, onde você sente falta da sua família e amigos. E isso pode ser um desafio psicológico difícil. O Ian se encontrou com o Chris no dia 06 de maio, pouca antes da morte dele, quando tocaram juntos, e disse que ele estava bem. Chegaram a conversar sobre ir para a Índia para começar algo novo com a ideia de rejuvenescer as músicas. Ele achou que ele tinha gostado da ideia e ele era um cara muito bom. O Ian não conheceu o Chester pessoalmente, mas é sempre triste uma pessoa jovem tirar a própria vida.

Esse foi o bate papo que a 89 teve com o Ian Astbury, vocalista do The Cult, que se apresenta em São Paulo no dia 21 de setembro junto com o Alter Bridge e o The Who no São Paulo Trip. Garanta o seu ingresso em ingressorapido.com.br

compartilhe
Comente